Com “Cara Palavra”, que será apresentado a partir de hoje nas redes sociais, Débora Falabella experimenta uma outra forma de o teatro absorver a ferramenta on-line, a partir de um espetáculo concebido integralmente para esta plataforma. A atriz mineira será a única a estar no palco, enquanto Mariana Ximenes, Andréia Horta e Bianca Comparato contribuirão com entradas virtuais, feitas de casa.
 
“É fruto de um trabalho criado para a pandemia. Tínhamos o desejo de fazer algo com poesia antes, mas ele iria acontecer de forma um pouco mais underground, só com música e palavra falada. Com o coronavírus, passamos tudo para vídeo e fizemos um perfil no Instagram, onde falávamos textos poéticos e jornalísticos”, destaca Débora.
 
Na página, os temas estavam relacionados ao mundo pós-Covid, com um viés poético. “Fomos chamados para fazê-lo on-line e convidamos o diretor Pedro Brício para fazer a dramaturgia, que é costurada com textos de autoras brasileiras. E desenvolvemos o trabalho, com cada um em sua casa”, registra a atriz, que mora em São Paulo, onde está o teatro Porto Seguro, palco da transmissão principal.
 
Para Débora, o universo virtual é “um lugar onde todos estão ainda aprendendo”. Ela pontua as diferenças entre “Cara Palavra” e “Contrações”, que passou por uma grande transformação para se adequar ao formato, com um resultado bem distinto da concepção original. Por outro lado, apesar de não ter passado por adaptações, o novo espetáculo tem o desafio de enfrentar as armadilhas tecnológicas.
 
“São vários links e temos que contar com o imprevisto. Para isso, temos que passar por ele com um plano B, com improvisos e com o que for”, afirma. O fato de poder estar no palco deixa a atriz animada, ainda que sozinha e sem plateia. “Minha companhia está completando 15 anos. Estar ocupando um teatro, mesmo vazio, é muito simbólico, ao se afirmar que eles existem e continuarão existindo”, frisa.
 
Para o espetáculo, o quarteto se aprofundou na poesia contemporânea nacional. Débora ressalta que estão aparecendo muitas escritoras jovens com trabalhos de destaque. “Acreditamos que o mundo, neste momento, esteja precisando de poesia. Mesmo ao falar de assuntos mais duros, ele pode ser tratado com poesia. A gente precisa desse alento”.
 
Entre as autoras, “está uma poeta mineira maravilhosa, que tem um trabalho que me acompanha há muito tempo, que é a Ana Martins Marques”. Outra poeta mineira é Conceição Evaristo, que participará de um dos espetáculos como convidada. “Temos muito orgulho de estar ao lado de poetas tão incríveis, de diversos lugares e idades”, enaltece.