“Minas são muitas” é o que defendia Guimarães Rosa, enquanto Carlos Drummond de Andrade não esquecia o pó de ferro de Itabira, e, mais tarde, Lô Borges cantava para Lennon e McCartney “sou do ouro, eu sou vocês, sou do mundo, sou Minas Gerais”. Dessa vez, é a dança que leva as diversidades culturais do Estado para o palco, por meio da Companhia de Dança do Palácio das Artes. A montagem “Entre o Céu e as Serras” fica em cartaz desta sexta-feira (27) a domingo, dentro da Campanha de Popularização do Teatro e da Dança.

A diretora do espetáculo, Cristina Machado, conta que as minas de ouro, o congado e o barroco perpassam todo o trabalho dos bailarinos em cena, sobretudo a coreografia – o gestual – e a música. Tudo, para entender essa Minas.

“Com alusão ao barroco, cuja leitura transcende por meio da dança, é que procuramos falar de nascimento, desenvolvimento, permanente transformação da cultura e do povo na maneira de ver, estar e construir esse ambiente em que a gente vive”, argumenta.

Revisão

Para a releitura de “Entre o Céu e as Serras”, que ganha o palco do Grande Teatro do Palácio das Artes, a diretora diz que houve a necessidade de atualizar os equipamentos de luz e de projeção e de refazer todo o cenário. O espetáculo foi apresentado pela primeira vez em 2000.

O trabalho contou com o acompanhamento da cenógrafa Wanda Sgarbi. “O cenário se perdeu ao longo do tempo, por ser de frágil conservação, pois é feito de taquaras de bambu e tecidos que perderam a tonalidade. Foi preciso revitalizar essa coloração, pois o espetáculo é emoldurado em tons de terra vermelha”, explica. Assim, até os bailarinos foram impregnados com terra.

A trilha sonora original é de Claudia Cimbleris, que combina sons de orquestra e de música eletrônica, com pesquisa sobre congado da professora Glaura Lucas.

“Entre o Céu e as Serras” já foi visto por mais de 30 mil pessoas ao longo de 15 anos.

Cristina Machado conta que o espetáculo recebeu convites para uma turnê nacional, começando por São Paulo, em abril, e para participar do Festival da Dança do Recife, em agosto.

“Entre o Céu e As Serras”. Cia. de Dança Palácio das Artes. Apresentação no Grande Teatro do Palácio das Artes (avenida Afonso Pena, 1.537, Centro). Desta sexta-feira (27) e este sábado (28), às 20h, e domingo, às 19h. Ingressos: R$ 26, R$ 13 (meia) e R$ 12 (postos do Sinparc).