NOVA YORK – Uma exposição na qual a nudez é o foco, mas longe de qualquer conotação pornográfica. Quem for a Nova York e reservar tempo para visitar a mostra "Naked Before The Camera", em cartaz no The Metropolitan Museum of Art, desde março e até o próximo dia 9 de setembro, vai se deparar com fotografias instigantes que muitas vezes têm como tônica o bizarro, ou mesmo o científico – caso de fotos que expõem corpos com sarcoma, ou mesmo um exemplo de hermafroditismo.

Evidentemente, a primazia cabe ao belo, e à figura feminina. Neste quesito, há encantadoras imagens das mais distintas épocas, tanto de figuras anônimas quanto de semblantes bastante conhecidos. Exemplo? Patti Smith, num clique de autoria de (claro) Robert Mapplethorpe, com quem ela se relacionou durante algum tempo, mantendo amizade até o fim da vida do fotógrafo, vítima de complicações em decorrência da AIDS, em 1989.

No cômputo geral, a mostra reúne 60 imagens, muitas de nomes por demais conceituados, como Brassaï (cujo trabalho se tornou mais conhecido dos belo-horizontinos após iniciativa recente na cidade), o vanguardista Man Ray ou André Kertész, enquanto outras de anônimos também atraem olhares.

Logo na entrada, a porta estreita é encimada pela palavra "Naked" formada por lâmpadas acesas. O espaço dedicado às fotos é pequeno e não atrai tantos visitantes quanto outro evento em cartaz no mesmo espaço, "Schiaparelli and Prada – Impossible Conversations", no escaninho da moda. Mas vale muito a pena.

Naturalmente, apesar de driblar qualquer viés que possa chocar os mais pudicos, a mostra é contra-indicada a menores de 18 anos.