PEQUIM,  26 Nov 2015 (AFP) - Os organizadores de uma exposição dedicada à violência conjugal prevista em Pequim denunciaram o cancelamento do evento em cima da hora, atribuindo culpa ao governo chinês.

Segundo o curador da exposição, Cui Guangxia, que citou uma fonte próxima à galeria onde ocorreria o evento, o cancelamento ocorreu devido a falta de "autorização dos serviços competentes".

Mais de 60 artistas contribuíram para preparar esta exposição que deveria ser inaugurada nesta quarta-feira (25), Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher, apoiado pela ONU.

Uma funcionária da galeria afirmou que não estava em condições de explicar os motivos do cancelamento, esclarecendo que as obras de arte seriam devolvidas aos artistas.

Para Cui, os temas da exposição - o feminismo e violência conjugal - são as prováveis causas para o cancelamento.

A AFP teve acesso às fotografias da sobras inicialmente destinadas à exposição cancelada, imagens que mostram várias pinturas de mulheres penduradas nas paredes brancas.

Em mais de 24% das famílias chinesas são registrados atos de violência doméstica, segundo a Federação de Mulheres da China, uma organização oficial.