"A gente fica mordido, não fica?”, pergunta o verso inicial de “Zero”, música lançada no You Tube há dois anos. De lá para cá, o Brasil se deixou bagunçar pela potência de Liniker e Os Caramelows. A voz cortante, o vigor artístico e os atravessamentos sociais da cantora paulista jogaram sua banda nos holofotes, fazendo disparar uma carreira acelerada. 

Dali, vieram centenas de entrevistas, shows Brasil afora, diversas participações e um primeiro disco cheio, “Remonta” (2016), cuja turnê passa novamente por Belo Horizonte nesta sexta-feira (20). O show acontece no Distrital e integra a festa Agosto, que também terá apresentações do mineiro Arthur Melo e Tambores de Ifá.

Em entrevista ao Hoje em Dia, Liniker Barros conta que ela e sua banda tiveram que aprender “na marra”, haja visto o sucesso instantâneo e explosivos de vídeos como o de “Zero” (que já passa de 12 milhões de visualizações). “Era tudo muito novo para nós. E não existe uma cartilha de como fazer. Fomos entendendo na prática”, explica a cantora, hoje aos 22 anos.

“Buscamos nos estruturar enquanto coletivo, aprendendo como é fazer um trabalho autoral no Brasil de forma orgânica”, continua Liniker. “Somos uma banda desde o começo. O que nos chateou é que a mídia não queria falar da banda, mas apenas da minha imagem e das minhas questões. É importante falar de gênero, transfobia e racismo, mas tudo isso já está no meu corpo. Sou uma cantora, tenho um trabalho musical e esse é o meu legado como artista”, sublinha.

A cantora ressalta que a experiência de rodar com “Remonta” tem ajudado a estruturar a banda – que agora conta com mais dois sopristas e uma percussionista. “A gente vai criando intimidade, passamos muito tempo juntos. Os laços se fortalecem naturalmente. Hoje, tocamos de olhos fechados, sabendo o que o outro vai fazer”, afirma, lembrando que a banda fez shows na Europa, nos Estados Unidos e na Colômbia. “A resposta ao disco tem sido muito afetiva, muito quente”, completa.

Agosto

Além de Liniker e os Caramelows, a festa conta com o show do mineiro Arthur Melo, que apresenta seu disco de estreia, “Agosto”, e convida Teago Oliveira, do Maglore (BA). A programação se completa com o encontro entre o DJ Zubreu, o babalaô carioca Zero e os percussionistas mineiros do Tambores de Ifá. “Vai ser uma noite de misturas. De macumba, bateria, groove, indie, corpo, gênero”, grifa Zubreu.

Serviço: Festa Agosto. Liniker e Os Caramelows, Arthur Melo e Tambores de Ifá. Nesta sexta-feira (20), às 21h, no Distrital (rua Opala, s/n, Cruzeiro). Ingressos: R$ 70 (inteira) e R$ 35 (meia-entrada).