Rafael Ciccarini já perdeu a conta de quantas vezes ouviu a pergunta “É filme ou curta?”. Coordenador do Festival Internacional de Curtas-Metragens de Belo Horizonte, cuja 16ª edição tem início nesta sexta-feira (19), na Fundação Clóvis Salgado, ele frisa que a única diferença do curta é a duração. “É como na literatura: você pode fazer um conto ou uma novela para passar a sua história. Um não é melhor do que o outro”, assinala Ciccarini.

Entre os chamarizes, está a retrospectiva Ken Jacobs, nome de ponta do cinema experimental americano. Serão exibidas 60 obras do realizador, que, numa ação inédita, seguem em cartaz após o fim do festival, na mesma sala, por mais nove dias. Resultado do estreitamento da programação do “FestCurtasBH” e do Cine Humberto Mauro.

Responsável também pelo cinema, Ciccarini destaca que essa junção possibilita “caminhar na mesma direção”, seguindo o formato adotado na sala do Palácio das Artes, com especial atenção para a formação de público. No caso dos curtas, nunca é demais lembrar sua importância dentro da história do cinema.

“Quando começou, em 1895, o cinema era curta e média. Os longas só chegaram 20 anos depois, com (D. W.) Griffith. O formato se consagrou, tornando-se sinônimo de filme, devido a uma imposição comercial”, explica o coordenador, rechaçando a ideia de que o curta é só um trampolim para o formato de maior duração.

A programação do festival, com 112 filmes de 26 países, é prova disso. “Redemption” traz a assinatura do português Miguel Gomes, premiado pelo longa “Tabu”. Expoente do cinema político moderno, o francês Jean-Marie Straub terá exibido “Dialogue d’ombres”, que levou 59 anos para ficar pronto.

A espinha dorsal do evento segue a mesma. São três, as mostras competitivas: Minas, Brasil e Internacional. A grade se completa com mostras paralelas – sete, no total. “Nosso desafio não é só apresentar uma variedade de gêneros, mas também de propostas”, conclui Ciccarini.

16º FestCurtasBH – Desta sexta até o dia 28, no Cine Humberto Mauro, Sala Juvenal Dias e Espaço Multiuso Mari’Stella Tristão do Palácio das Artes (av. Afonso Pena, 1.537). Entrada franca. Confira: festcurtasbh.com.br