Como todo adolescente que chega aos 18 anos, a maioridade também tem sido difícil para o Festival Indie, uma das mostras de cinema mais antigas realizadas em Belo Horizonte e voltada para a produção independente mundial. A 18º edição, que deveria ter ocorrido no ano passado, só chega agora à tela do Cine Humberto Mauro.

Com início nesta quarta (27), é praticamente a mesma programação que foi apresentada em 2018 em São Paulo, a “filial” do festival que agora ganhou conotação de “matriz” após receber dez edições. “Estamos vivendo um momento instável na cultura. Já estamos trabalhando no próximo, mas sem qualquer garantia”, lamenta a organizadora Francesca Azzi.

Ao todo, serão exibidos 13 longas-metragens até 3 de abril, sempre com entrada franca. Entre eles, produções que dificilmente ganharão as telonas novamente. Uma dessas obras é o chinês “Um Elefante Sentado Quieto”, cujo diretor Hu Bo, pertencente a uma promissora geração no país asiático, se suicidou logo após concluir as filmagens.

Sem espaço

Outro destaque é “Estação do Diabo”, do filipino Lav Diaz, que também não entrará no circuito comercial de BH. “É difícil achar hoje na cidade um cinema que exiba um filme de quatro horas. O Belas Artes é o único e não dá conta de receber todos os títulos de arte”, registra Francesca.

Diferentemente das primeiras edições, que contavam com uma programação de mais de 100 filmes, o festival passou a exibir um menor número de produções, devido à diminuição de recursos. “Está mais enxuto, o que exige um maior trabalho curatorial, mas continua bem indie, mantendo o mesmo espírito de lá trás”, compara.

SERVIÇO:
Festival Indie 2019 – De 27 de março a 3 de abril, no Cine Humberto Mauro (Avenida Afonso Pena, 1537). Entrada franca. Veja programação no site indiefestival.com.br