A Fundação Municipal de Cultura anunciou nesta terça-feira (15) para a imprensa a grade de programação do Festival Internacional de Teatro de Palco & Rua (FIT), que será realizado entre os dias 6 e 25 de maio em dezenas de espaços da cidade – inclusive, fora da região Centro-Sul. Serão 55 espetáculos, sendo 18 internacionais (de dez países), 12 nacionais (de cinco Estados) e 25 atrações locais. O investimento total é de aproximadamente R$ 7 milhões. 
 
Segundo o presidente da fundação, o grande diferencial dessa edição comemorativa de 20 anos é o foco na produção local. A intenção é transformar o FIT em vitrine para curadores de festivais nacionais e internacionais. Trinta programadores (sendo 18 internacionais) foram convidados e 20 já foram confirmados. 
 
Durante o FIT, haverá o lançamento do programa Intercena, que se propõe a ser uma continuação do festival, com ações de internacionalização das montagens locais. A intenção é fomentar, no futuro, viagens de grupos da capital para cidades parceiras no Brasil e exterior. 
 
Outras novidades importantes são as reaberturas dos teatros Marília e Francisco Nunes, que foram reformados, durante o FIT. A fundação promete, em breve, lançar editais de ocupações dos dois espaços. 
 
“Hamlet”
A programação contempla espetáculos de Alemanha, Argentina, Cuba, Austrália, França, entre outros. Entre os destaques, está a apresentação de “Hamlet”, pela tradicional companhia Berliner Ensemble (fundada por Bertolt Brecht). Isso é fruto de uma parceria com a Prefeitura de Berlim. A Alemanha aparece ainda com outras três companhias. 
 
Há ainda a expectativa de se realizar o encerramento do Ano da Alemanha no Brasil com a apresentação de um balé alemão em breve. 
 
Também é importante o retorno do francês Generick Vapeur com a montagem “Jamais 203”. No Fitinho (dedicado ao público infantojuvenil) o destaque é “Concerto para Bebês”, de Portugal. 
 
Para o cidadão
De acordo com o coordenador do festival, Cássio Pinheiro, a curadoria buscou uma programação “abrangente, com diversidades nas artes cênicas, voltado para o cidadão”.
O curador Jefferson da Fonseca Coutinho explica porque o foco é o cidadão. "Acompanhamos o FIT desde o início e percebemos que havia uma procura enorme dos iniciados em teatro. Então, pensamos em uma descentralização, uma ideia de que a cultura somos todos nós”, explica o jornalista e ator. “Vejo uma polaridade em Belo Horizonte entre o teatro comercial e o teatro de arte, mas isso não existe. O conceito de qualidade é subjetivo”. 
 
Para que haja público nos palcos alternativos das diferentes regiões da cidade, ações serão feitas, por atores, junto a moradores e motoristas, mostrando a programação nos bairros. O site com a programação ainda não foi divulgado pela fundação. 
 
CONFIRA QUAIS SÃO OS ESPETÁCULOS INTERNACIONAIS
- “1325”, do Peripécia Teatro (Portugal)
- “Augenblick Dream”, do Eolie Songe (França)
- “Concertos para Bebês”, do Musicalmente (Portugal)
- “Emília”, do TIMBRe4 (Argentina)
- “Es sagt mir nichts, das sogenannte Draußen” (The so-called outside means nothing to me), do Maxim Gorki Theater Berlin (Alemanha)
- “Fíchenla se Pueden”, do Argos Teatro (Cuba)
- “Frag#3 Aproximacion a la Idea de Desconfianza”, do Evelyn B. (França)
- “Glory Box”, de Finucane & Smith's (Austrália)
- “Hamlet”, de Berliner Ensemble (Alemanha)
- “Ich Rufe Meine Bruder” (I Call My Brothers), do Ballhaus Naunynstrasse (Alemanha)
- “Jamais 203”, de Generick Vapeur (França)
- “Kalabazi”, do Tita8lou (Suíça)
- “La Cena”, de Anita Mosca (Itália/Brasil)
- “Matéria Prima”, do La Tristura (Espanha)
- “Memórias em Tempos Líquidos”, do Dormentes (Uruguai/Brasil)
- “Orsini Marionetes”, do Orsini (Argentina)
- “Rapsodia para El Mulo”, do El Ciervo Encantado (Cuba)