O título de “Temporada” não só aponta para um dos principais ingredientes do filme como também resume, numa única palavra, o grande diferencial na obra do cineasta André Novais de Oliveira.

No dicionário, temporada significa um largo espaço de tempo. E em todos os seus filmes, mesmo nos curtas, as narrativas se beneficiam deste tempo mais dilatado, fundamental para nos aproximar dos personagens.

Eles são pessoas comuns e as suas histórias, também. Mas a maneira como o diretor mineiro nos leva a dividir esse cotidiano nos faz enxergar diversas camadas até se fixar no que há de mais humano naquele núcleo.

As barreiras sociais e geográficas se rompem gradativamente até passarmos a ver o essencial da vida, na necessidade de cair e levantar, sempre numa possibilidade de renovação e aprendizado. “Temporada” traz toda essa pulsão de vida.

Enredo

Como agente de combate a endemias, a protagonista Juliana, interpretada por Grace Passô, se desloca constantemente, entrando em casas e conhecendo outras realidades. É desse rico contato diário que o filme extrai sua força.

Juliana não se dá conta de que, ao mudar de cidade e buscar um recomeço, a transformação já está acontecendo diante dela, com os colegas de trabalho. Não há grandes reviravoltas na trama, já que a conversão se dá internamente.

Sem pesar a mão no drama dos personagens, principalmente dos secundários, que exibem uma capacidade nata para vencer os problemas com certo otimismo, “Temporada” chega ao fim recheado de simbolismos.

Da água da cachoeira que parece renovar a protagonista ao carro antigo que precisa do empurrão para funcionar – há uma cena semelhante em “Pequena Miss Sunshine”, que reúne família problemática em torno de uma viagem de kombi.

Muito do filme se deve ao talento de Passô para encarnar essa mulher solitária e envolta numa grande angústia. Mesmo com Juliana evitando se abrir para os colegas, a impressão é de que já convivemos com ela há bastante tempo.

O filme será exibido na Mostra de Cinema de Tiradentes. Confira a programação completa desta 22ª edição em mostratiradentes.com.br.

Leia mais:

Entre ventanias e leves sopros, mineira canta o amor e a resistência em novo disco

Eternos cinquentões: ano do Woodstock, 1969 gerou safra musical icônica

Cine Humberto Mauro exibe 39 famosos musicais; haverá sessões dubladas para crianças