Uma verdadeira louvação à música de Minas, assim é o sexto álbum da cantora mineira, radicada em São Paulo, Glaucia Nasser que apresenta, nesta quinta (28), seu “Em Casa” no palco do Teatro Bradesco. Com um repertório que vai de Ary Barroso (1903 - 1964) a Tunai, e ainda navega por outros nomes de peso como João Bosco e Milton Nascimento, o disco assume um tom interiorano, marcado pelos arranjos, e chega ao ouvinte quase como um abraço.


Idealizado pelo diretor musical Alexandre Lemos, a seleção do repertório de “Em Casa” foi para Glaucia um mergulho em sua raiz mineira. “Quando o Alexandre me propôs esse trabalho pensei em como não nos damos conta do óbvio”, comenta ela que foi guiada pelo sentimento. “São obras que representam algo na minha história e trazem lembranças. Foi puramente afetivo o processo. Uma viagem para honrar esses mestres mineiros. Esse disco tem um sentido de agradecimento”, confessa.


A primeira seleção contava com 25 faixas que mais tarde foram reduzidas para 17 músicas. Questionada sobre qual das canções lhe toca mais a alma, Glaucia não titubeia. “As músicas que falam do Brasil e de esperança me tocam muito. ‘Clube da Esquina 1 e 2’, por exemplo, me aproximou do país que eu gostaria de ajudar a construir”.


Pautado por violas caipiras e violões tocados por Sandro Prêmmero, que segundo Glaucia é o “paulista mais mineiro que eu conheço”, o álbum nos apresenta uma fina sintonia entre a voz cristalina da cantora e os instrumentos que a acompanham. “Os arranjos foram feitos intuitivamente. Eu cantava e o Sandro vinha criando em cima da minha voz. Foi algo muito verdadeiro. Fizemos do coração”, relata.


A verdade citada pela cantora fica clara em “Cruzada” (Tavinho Moura e Márcio Borges, 1978), na qual voz e violão se confundem e formam um único canto. O álbum fica ainda mais aconchegante quando Glaucia canta “Nós dois” (Celso Adolfo, 1984) em uma melodia doce, que traz um sentimento saudosista marcado pelo som da gaita. O repertório não se concentrou apenas em músicas antigas, ele vai de “Rancho Fundo” (Ary Barroso) a “Dois Rios (Skank).


Quanto ao show que realiza nesta quinta (28), Glaucia preparou uma noite que vai além do novo disco e traz canções autorais, e uma vinheta de seu projeto “Uma Noite com Juscelino” no qual revive os “anos dourados” do Brasil no período da presidência de Kubitschek. “É um show que tem um crescente com músicas mais lentas e outras mais agitadas. Para todos os gostos. Finalizo com uma pitada do projeto do Juscelino. O objetivo é despertar no público a esperança e uma vontade de ter a identidade brasileira forte novamente”, elucia Glaucia que finda o show com a música “Vide Vida Marvada” (Ronaldo Boldrin). “É uma canção que reúne todas as outras”, acredita ela, que retorna a capital mineira no segundo semestre deste ano com o projeto “Uma Noite com Juscelino”.


Serviço:
Glaucia Nasser – Show “Em casa”. Teatro Bradesco (Rua da Bahia, 2244, Lourdes). Dia 28/4. Quinta, às 21h. R$ 60 e R$ 30 (meia)