Em comunicado à imprensa, a Gol Linha Aéreas Inteligentes comentou o episódio ocorrido na segunda-feira (19) com o neto da coreógrafa Deborah Colker. Durante um voo da companhia de Salvador para o Rio, Theo, de 3 anos, foi discriminado por alguns tripulantes. A criança possui epidermólise bolhosa, uma doença genética não contagiosa, mas funcionários da empresa exigiram da família um atestado médico para que o avião pudesse decolar.

Confira a posição da Gol:

"A GOL Linhas Aéreas Inteligentes esclarece que, buscando assegurar o bem-estar de todos os passageiros a bordo do voo G3 1556 (Salvador - Rio de Janeiro), realizado na última segunda-feira, 19, cumpriu rigorosamente as recomendações do Manual Médico da IATA (sigla em inglês da Associação Internacional de Transportes Aéreos) e da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

A companhia ressalta que, visando a segurança de um dos passageiros deste voo, bem como de todos a bordo, solicitou um atestado médico. Na falta deste documento, um médico foi acionado.

Lamentamos profundamente os transtornos causados à família com relação à forma como foi conduzido o cumprimento de tais recomendações. A estes e aos demais passageiros, pedimos sinceras desculpas.

Vale ressaltar que todas as medidas relacionadas a este caso foram tomadas com o único objetivo, prezar pelo respeito e bem-estar de todos a bordo e seguir rigorosamente os padrões de segurança."