Com textos de especialistas em filosofia, história, ciência política, antropologia, direito, sociologia e jornalismo, o livro “Dicionário da República – 51 Textos Críticos”, organizado pela historiadora Heloisa Starling e a antropóloga Lilia Schwarcz elabora ideias que ajudam a explicar os conceitos de república e republicanismo.

Com a ideia de elaborar uma espécie de guia sobre o complexo conceito de república, o livro pode ser dividido em quatro eixos, segundo Heloisa Starling. No primeiro, a palavra república é decantada em seus valores e princípios para que todos os seus significados possam ser entendidos. Para as autoras, o conceito está esvaziado de conhecimento e é muitas vezes confundido com a noção de democracia. 

“Democracia traz o princípio de igualdade, com o maior número possível de pessoas incorporadas à cidadania. Mas para a ideia de república não basta só incluir. Os cidadãos precisam discutir aquilo que interessa a todos: como vamos tratar da coisa pública e como vamos tratar aquilo que é comum”, observa Heloisa Starling.

No segundo eixo, o livro traça a história da tradição republicana, como nos apropriamos dessa tradição e quais foram as ideias que nos interessaram a partir das experiências das revoluções francesa, americana, inglesa e haitiana. 
Em um terceiro momento a publicação aborda as tentativas de instalação da república no país antes de 15 de novembro de 1889.

“A primeira vez que foi implantada a república, a primeira tentativa de dar forma a esses valores (republicanos) foi com a Revolução de Pernambuco, em 1817”, contextualiza Heloisa Starling, lembrando que movimentos anteriores, como a Conjuração Baiana e a Inconfidência Mineira, não saíram da teoria por terem sido delatados e abortados.

Na última parte, o enfoque é na contemporaneidade e como tais conceitos podem se aplicar num momento que as autoras consideram particularmente problemático para o país.

“Pela primeira vez não temos um projeto de futuro. Um dos valores republicanos é a capacidade de exercitar a tolerância, se dispor a ouvir e debater com os que são diferentes”, diz a historiadora, que também elenca problemas como patrimonialismo e corrupção no rol temático da obra.
Autores diversos

Autores diversos

“Duas coisas são legais dentro do livro. Na hora que você monta esse mosaico, há desde nomes consagrados até pesquisadores jovens, que estão descobrindo coisas novas em pesquisas e contam histórias que precisam ser conhecidas”, comemora Heloisa Starling. 

“O dicionário reuniu gente do Brasil inteiro, com textos inovadores que trazem conhecimento novo, e os pesquisadores se esforçaram em contribuir com um texto que seja prazeroso de ler, mas sem perder em adensamento”.