Considerada uma das escritoras mais importantes da literatura modernista do país, Clarice Lispector completaria nesta quinta (10) 100 anos. Dona de um estilo mais intimista, mergulhando fundo no pensamento humano, essa ucraniana naturalizada brasileira será tema de vários eventos que ocorrerão nesta data pelo país.

A editora Rocco e a plataforma de audiolivros Tocalivros anunciaram a finalização do acervo com 18 obras da autora. A coleção está sendo finalizada com o lançamento de “Outros Escritos”, “A Paixão Segundo G.H”, “Um Sopro de Vida”, “Hora da Estrela” e “Onde Estiveste de Noite”; esses dois últimos narrados pela atriz Mel Lisboa.

A Academia Mineira de Letras apresenta, às 11h, palestra guiada pelo tema “Clarice Lispector e o inquietante”, que será transmitida pelo canal da instituição no YouTube. Quem conduz esta visita a Clarice é o professor Luiz Lopes.

A palestra terá dois momentos distintos: no primeiro, Luiz Lopes abordará os principais aspectos da obra da escritora brasileira Clarice Lispector (1920-1977), de forma que os ouvintes possam ter um panorama da criação literária e artística dela.

Além disso, ele vai ressaltar a presença do inquietante, que aparece em contos, crônicas e nos romances e textos longos, entre eles, nas obras curtas, os contos “Amor” e “A legião estrangeira” e na crônica “Pertencer”.

No segundo momento o professor localiza algumas imagens inquietantes que aparecem na obra de Clarice para evidenciar uma linha de força de produção, como também algo que revela a própria figura inquietante da escritora. O texto utilizado para exemplificação será “A Hora da Estrela”.

Formas da alegria
Lopes também é o autor do livro “Clarice Lispector – Formas de Alegria”, que será lançado na próxima quinta, às 19h, pelo canal da editora mineira Quixote+DO. Na publicação, ele alinhava um perfil singular da escritora ao enfatizar um lado solar da obra dela.

“A crítica literária ressaltou o lado sombrio e melancólico da escrita de Clarice Lispector e a escolha que fiz foi discorrer sobre a alegria difícil que existe também em seus textos. Essa leitura permitia ler a obra de Clarice não por meio de pares binários, mas mostrando como há na escritora um lado solar que convive com o lado sombrio”, diz o autor.

Sobre a popularidade de Clarice Lispector, Lopes destaca que ela tem algo direto que pode tocar as pessoas. “E há nela também algo selvagem, mais difícil de ser atingido. Ainda que haja muitas deturpações, acho interessante essa popularização que acontece nas redes. Ela era popular, sem perder seu lado selvagem”, pondera.