Além de incrementar o turismo da região, Inhotim contribui para a economia de Brumadinho como segundo maior empregador do município. Dos cerca de 700 funcionários do parque/museu, 80% são moradores da cidade. E para boa parte deles é em Inhotim que está a oportunidade do primeiro emprego, já que o lugar privilegia os jovens. 

O impacto econômico do empreendimento pode ser sentido em toda Minas Gerais, de acordo com o secretário-adjunto de Estado de Turismo, Gustavo Arrais. Segundo ele, a importância do parque/museu para o setor pode ser facilmente observada em números. “Enquanto Ouro Preto, cidade muito conhecida e visitada há tantos anos, recebe cerca de 400 mil turistas, Inhotim já recebe mais de 350 mil pessoas ao ano. E o parque tem apenas dez anos”, explica o secretário. 

Embora muitos turistas já venham ao Estado interessados apenas no que Inhotim oferece, é possível associar o espaço de Brumadinho a outros atrativos turísticos de Minas Gerais, como Ouro Preto, Tiradentes, Diamantina e a própria capital.  “No mercado internacional, há um grande número de pessoas que viajam por causa de cultura e história. Quem vai à Muralha da China quer ver um grande monumento histórico. Precisamos mostrar ao Brasil e ao mundo que o melhor lugar para se fazer um turismo ligado à cultura e história é em Minas Gerais”, afirma Arrais. 

Para receber esse grande volume de turistas interessados em arte contemporânea, o mercado precisou de um certo ajuste. As agências de turismo passaram a oferecer passeios caprichados com destino ao belo espaço e a cidade de Brumadinho teve de incrementar o setor hoteleiro e de bares e restaurantes.  “Já é muito comum encontrar turistas estrangeiros que desembarcam em Confins e vão direto para Inhotim sem passar por Belo Horizonte”, afirma o secretário. “Os donos de hoteis e pousadas perceberam que era preciso apresentar um serviço mais elaborado, caprichado. Tanto que criaram uma associação”, complementa. 

“Os turistas vêm para dois dias, mas poderiam ficar três. O problema é que a cidade não tem estrutura. Temos uma bela serra e cachoeiras, podemos criar um bom roteiro”. Vanir do Amaral - Dono do Estrada Real Palace Hotel

 

Empregos
Monique da Silva Antônio, de 18 anos, trabalha há sete meses na recepção do Inhotim. Na família dela há outros funcionários do parque: pai, irmão, tio. “Antes de trabalhar aqui, Inhotim já fazia parte da minha vida, fazia parte das conversas da família. Costumo brincar que nossa casa é uma extensão do Magic Square (famosa obra de Hélio Oiticica), porque as paredes são todas coloridas”.

Para que o atendimento na recepção seja o melhor possível, ela e algumas colegas participam periodicamente das visitas mediadas. “Há uma preocupação em saber sempre responder aos visitantes”. O monitor Isaac Pavan, de 23 anos, é de Mário Campos, cidade vizinha a Brumadinho. E garante: muitos jovens da cidade onde ele mora desejam também trabalhar em Inhotim.  “Trabalhar com o público é ótimo porque um dia nunca é igual ao outro. Sempre vivemos conversas interessantes”. 

 

Inhotim
Interação – Isaac Pavan trabalha como monitor e mostra que conhece a importância da obra de Cildo Meireles

 

Confira o número de visitantes que o Inhotim recebeu ao longo dos anos:

2006 - 30.000
2007 - 123.185
2008 - 121.308
2009 - 162.017
2010 - 184.355
2011 - 244.332
2012 - 293.075
2013 - 332.280
2014 - 356.126
2015 - 353.215 
 

Recorde de visitação: 11.229 visitantes em 27/07/2016

 Até Julho de 2016 foram 2,4 milhões de visitantes