Quando uma criança é diagnosticada com uma séria doença que afeta as células do sangue (como leucemia e linfoma) e o transplante de medula óssea é necessário, muitas questões passam pela cabeça do pequeno. Não é fácil para pais e médicos explicar todos os percalços que serão enfrentadas durante o tratamento.

Dessa dificuldade, nasceu o livro “Esquadrão dos Anjos”, escrito pela jornalista Nalu Saad e pelo médico Vanderson Rocha, que será lançado no domingo (17), no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB). A intenção é mostrar para crianças, por meio de uma história lúdica cheia de seres mágicos, quais serão todos os passos que serão percorridos antes e depois de um transplante de medula.

Na obra, os personagens Maria Flor e Pedro Jardim se encontram com vários anjos – símbolos para médicos, enfermeiros, psicólogos e outros muitos profissionais do universo da saúde que atuam no processo de cura de uma criança que necessita de um transplante. “O livro foi feito para mostrar à criança que o processo não será fácil. Os anjos aparecem para dizer que, mesmo sendo um tratamento difícil, é possível ter um jeitinho para driblar as situações ruins”, conta Nalu Saad.

A busca por um doador, a queda de cabelo, a falta de apetite são algumas das abordagens ao longo da história. “Também falamos que a criança precisará ficar isolada após o transplante. Isso é o que pega mais para eles, saber que não poderão brincar com outras pessoas durante um tempo”, explica a jornalista.

Rede de parceiros

Produtora um rede de televisão, Nalu Saad entrevistou Vanderson Rocha – que é coordenador técnico de transplante de medula óssea do hospital Sírio Libanês, em São Paulo – para uma reportagem sobre a dificuldade em se conseguir tratamento no Brasil. Depois disso, numa troca de mensagens pelo WhatsApp, a jornalista perguntou ao médico qual seria a melhor forma de falar sobre o transplante para o filho de um amigo, diagnosticado com uma doença no sangue.

“Ele respondeu que costuma dizer que é uma batalha de anjos. Na semana seguinte, me inspirei no que ele disse, e montei uma versão pequena de um texto em que anjos falam sobre o assunto”, conta Nalu. “Mandei para ele, para verificar se estava tudo certinho, se poderia mandar para a criança, e o dr. Vanderson me respondeu: 'é para chorar? Essa história pode ajudar todas as crianças que vão passar por isso. Vamos transformar num livro”.

nalu saad vanderson rocha

Nalu Saad e Vanderson Rocha: parceria para beneficiar crianças em tratamento

Depois disso, os dois criaram um grupo de WhatsApp com profissionais das mais diferentes áreas que envolvem o tratamento, como uma nutricionista e uma pediatra. Conforme escreviam parte do livro, mandavam para o grupo e verificavam se estava tudo correto. Crianças que estavam em tratamento também ajudaram, enviando vídeos sobre suas experiências. “Vimos que se fôssemos publicar tudo o que queríamos, viraria uma Bíblia. Então, reduzimos o texto”.

Após a publicação do livro, no mês passado, os autores verificaram que a obra pode ter um público mais amplo. Um exemplo disso é o caso de uma jornalista de São Paulo que vai passar por um transplante de medula óssea e fez questão de ler “Esquadrão dos Anjos” com a filha de 7 anos. “Assim, a filha dela pôde compreender melhor tudo pelo qual a mãe vai passar. Vimos também que a obra pode ser uma leitura interessante para os amiguinhos das crianças que estão nos hospitais”, completa Nalu.

Quem assina o prefácio é o ator Reynaldo Gianecchini, que passou por um transplante autólogo (quando se usam as células do próprio paciente) para tratar de um linfoma, enquanto as ilustrações são de Iara Rachid.

Serviço: Lançamento do livro “Esquadrão dos Anjos” (Páginas Editora, 36 páginas) no Centro Cultural Banco do Brasil Belo Horizonte (Praça da Liberdade), domingo, das 11h30 às 15h30