Termina este final de semana na Fundação Joaquim Nabuco, em Recife, a individual “Entre Relevos”, do mineiro Lucas Dupin. Esta é também a primeira apresentação ao público do projeto mais recente do artista, no qual propõe explorar possíveis diálogos entre dois saberes que, à primeira vista, estão afastados tanto cultural quanto geograficamente: o das doceiras de Carmo do Rio Claro, Minas Gerais, e o dos xilogravadores de Bezerros, Pernambuco.

Como parte deste primeiro “contato”, foi escrito um cordel sobre as doceiras do sul de Minas, ilustrado com imagens (criadas especialmente para o projeto) por oito xilogravadores de sua família, enquanto cinco doceiras de Carmo do Rio Claro produziram 15 Kg de doce de mamão bordado com imagens baseadas na série de gravuras “frutas do nordeste” de J. Borges. Esta é primeira vez que poderá ser vista, em uma mesma exposição, trabalhos de cada um destes xilogravadores.


Experiência Cultural

A ideia para o projeto, segundo o artista, partiu de sua própria experiência pessoal. Neste caso, entre a prática da xilogravura e suas memórias de infância em Carmo do Rio Claro, em meio à produção do doce de mamão bordado.

Diferentemente de outras exposições já realizadas por Dupin, o objetivo principal do projeto, segundo ele, “não é a produção de um objeto fixo ou exterior, mas sim a realização de uma ‘experiência cultural’ pautada no devir, na qual a cultura local é matéria prima para construção de novas miradas sobre si mesma”. O desafio, agora, prossegue o artista, é conseguir apoio para apresentar esta exposição aqui, em Minas.

A iniciativa teve a colaboração dos xilogravadores: J. Borges, Dona Nena, Manassés Borges, J. Miguel, Ivan Borges, Givanildo, Silvio Borges, Severino Borges e das doceiras Rosa Melo, Maria Rita Corrêa, Isabel Corrêa, Sulica Carielo e Ângela Martins. A curadoria é de Jorge Cabrera. (PC)


Lançamento

Será lançado neste sábado (18), às 19h, no CRModa, O curta-metragem “A Onda da Street Art”, resultado da pesquisa que o ator, cineasta e artista plástico Ernane Alves realizou para a exposição “A Moda, A Arte, A Rua”, projeto ao qual assina a curadoria e concepção artística. As filmagens realizadas nesse processo deram origem ao documentário, que apresenta um retrato atual dos artistas que utilizam a rua como plataforma de expressão artística, a “galeria a céu aberto”.


O lançamento, neste sábado (18), acontecerá em forma de sessão comentada, que contará com as participações do diretor Ernane Alves, do artista plástico Rogério Fernandes, do grafiteiro Leandro Arieth e da professora de moda Carol Bicalho.


Lançamento de “A Onda da Street Art” – Neste sábado (18), 19h. Centro de Referência da Moda (Rua da Bahia, 1.149). Entrada franca.

Devido à procura do público, a exposição “A Moda, A Arte, A Rua”, que terminaria neste domingo (19), foi prorrogada até o dia 24. A mostra tem entrada gratuita