É a mais pura verdade: quem toma contato acaba se viciando nas canções defendidas pelos chamados “malditos” da MPB – gente como Sérgio Sampaio, Walter Franco, Tom Zé, Arnaldo Baptista, Belchior e Raul Seixas, para citar alguns. As letras costumam tocar fundo na alma. E são essas composições desses rebeldes que ganham a leitura de Maurinho e os Mauditos, em show gratuito nesta sexta-feira (11), às 20h, no Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450), na plataforma #Claro Experiências.

Projeto paralelo de Maurinho Nastácia, vocalista do Tianastácia, a banda dá o tom de resistência às mesmices atuais. E com uma novidade: a metade do show será de composições dos homenageados e a outra, de inéditas do próprio Nastácia, feitas para a Maurinho e os Mauditos. “Gosto muito, sempre escutei essa galera: Sérgio Sampaio, Raul... Me surpreendeu muito foi o Belchior. Já conhecia algumas coisas dele, como as que Elis (Regina) gravou. Mas, quando me aprofundei (na pesquisa), fiquei surpreso. Conversando com um amigo, percebi que (Belchior) é um tipo de Bob Dylan, um contador de histórias; tem muita sensibilidade e percepção”, diz, acrescentando que “ninguém mais toca esses caras”.

Composta também por Fernando Morcego (bateria), Vinícius “Cavalo Doido” (baixo) e Lucas França (guitarra), a banda vai apresentar, no show, “Sujeito de Sorte”, canção dos anos 1970 de Belchior; “Madrugada” (parceria de Maurinho com Léo ex-Nastácia e Alexandre Nastácia), que segue a linha da poesia concreta de Walter Franco; e outras que levam apenas a assinatura dele, caso de “Fissura” e “Destilado”.

Essas canções farão parte do CD de Maurinho e os Mauditos, que deve ser lançado em outubro, com dez faixas – nove de Maurinho e uma parceria. “A partir de agora, vamos trabalhar essas músicas novas, mesclando com esses ‘grandes malditos’. São músicas minhas que, por algum motivo, não entram no ‘Tia’ – ou por estilo ou por clima da música. Mas que não ia deixar na gaveta”.

O Maurinho e os Mauditos surgiu há cinco anos, num especial da Rede Minas. E não parou mais. “É até fácil conciliar as agendas porque tocamos quando somos convidados, como agora, e quando o Tianastácia está de férias. E já até lançamos um CD, com mil cópias”.

Veja os Mauditos interpretando o clássico "Eu quero botar meu bloco na rua" de Sérgio Sampaio