A população parda é a mais afetada pelo novo coronavírus em Belo Horizonte, segundo levantamento apresentado pela prefeitura nesta quinta-feira (23). De acordo com o balanço, entre as 417 pessoas que perderam a vida por causa da Covid-19 no município, metade era parda. Já sobre os casos confirmados da doença, a população parda corresponde a 37,3% do total.

Os brancos correspondem a 30% dos óbitos e 33% dos casos, enquanto os pretos estão entre 9,6% dos mortos por Covid e 5,4% dos infectados.

Esta foi a primeira vez em que a Prefeitura de Belo Horizonte divulgou um perfil de raça e cor para as vítimas da Covid-19. Veja as tabelas divulgadas:

óbitos covid raça

 

casos covid raça

De acordo com o infectologista e professor da UFMG Unaí Tupinambás, 50% das pessoas que perdem a vida para o novo coronavírus são pardas. E a explicação para isso é histórica, social e econômica. Segundo ele, as pessoas em situação mais vulneráveis de moradia, transporte público, saneamento básico e educação também são aquelas que costumam ter mais problemas de saúde – um fator determinante na luta de cada paciente contra o vírus.

“Nessa população há uma prevalência de doenças crônicas, como obesidade, diabetes, tabagismo, além de um menor acesso à informação. Isso não é por causa de raça, mas porque essas pessoas são vulnerabilizadas”, explicou Tupinambás.

Leia mais:
BH tem mais de 16 mil casos confirmados e 417 mortes por Covid; taxa de ocupação de UTIs reduz