SÃO PAULO - A cantora Patti Smith escreveu na revista "The New Yorker" um texto de homenagem a seu amigo, Lou Reed, que morreu de uma doença hepática em 27 de outubro, há uma semana.

No artigo, ela relembra que costumava dançar ao som da música do Velvet Underground, banda que Reed fundou na década de 1960.

Ela escreve também que, em meados da década de 1970, quando sua banda, o Patti Smith Group, estava começando a decolar, Lou Reed era uma figura ameaçadora.

"Um homem complicado, ele encorajava nossos esforços, mas depois mudava e me provocava como um garotinho maquiavélico. Eu tentava desviar dele, mas, felino, ele reaparecia de repente e me desarmava como alguma citação de Delmore Schwartz (poeta americano) sobre amor ou coragem. Eu não entendia seu comportamento errático ou a intensidade dos seus humores, que variavam, assim como seus padrões de fala, de rápidos a lacônicos. Mas eu entendia sua devoção à poesia e a qualidade arrebatadora de suas performances."

Até mesmo a data da morte de Reed foi reconhecida por Smith como "um dia perfeito" para a partida. 27 de outubro é também a data de nascimento de Dylan Thomas e Sylvia Plath. "O dia dos poetas, num domingo de manhã, com o mundo atrás dele."