Quem respira o Carnaval de Belo Horizonte sabe que a festa já começou. Além de alguns blocos precoces que já foram às ruas, eventos preparativos para a folia momesca tomam conta da agenda cultural da cidade. Entre eles, está o Movimento Benedito, cuja segunda edição acontece neste sábado (9), na Serraria Souza Pinto. Desta vez, os pernambucanos da Nação Zumbi dividem o palco com três bandas originadas de blocos da capital: Chama o Síndico, Orquesta Atípica de Lhamas e Pena de Pavão de Krishna.

Sócia da produtora A Macaco, que divide a realização com o Jangâlove, Bell Magalhães destaca a importância do diálogo entre um convidado de outro estado e as bandas locais. “A ideia é fazer um movimento leve, que traz sempre o bom daqui de Minas e algum convidado de fora. Ano passado, trouxemos Baiana System e, neste ano, Nação Zumbi compõe o time”, afirma.

“Fomos pela linha dos blocos que mais conversam com esse perfil de público. Quem curte Nação provavelmente gosta de Jorge Ben, Tim Maia e cumbia”, continua Magalhães. “Pena abre o evento com toda a leveza, Lhamas vem com a sensualidade e a alegria da cumbia e o Síndico joga a energia no alto”, diz. Marco Sassen Panerai, do Jângalove, faz coro. “A Nação é uma banda que tem mais de 20 anos de história, que agrada tanto os quarentões quanto os mais jovens”, afirma. “Lhamas é o bloco do momento e Síndico uma instituição do Carnaval de BH”, pontua.

Show novo e Carnaval

Guitarrista da Nação Zumbi, Lúcio Maia conta que o primeiro show da banda em BH neste ano terá um repertório novo. “Vamos fazer músicas dos dois primeiros discos, que não tocamos há muito tempo. E também vai ter muita coisa do ‘Radiola NZ’, nosso último trabalho, que traz versões de outros artistas”, afirma, citando canções como “Refazenda” (Gilberto Gil) e “Sexual Healing” (Marvin Gaye). O pernambucano revela que a banda já se prepara para lançar um novo single, ainda no primeiro semestre. “A ideia é ir soltando músicas na medida em que formos compondo. É bem interessante esse formato”.

Sobre o Carnaval, o guitarrista conta que pela primeira vez em 13 anos, a Nação Zumbi não tocará no Marco Zero, em Recife (PE). “A prefeitura vem, há alguns anos, transformando o Carnaval em um evento de lobby político. Para o artista tocar, as condições são péssimas e existem critérios super confusos. Então, achamos por bem não tocar”, afirma. “Somos de Pernambuco e passamos a vida toda divulgando a cultura pernambucana sem pedir nada em troca. Mas não sentimos que nos respeitam por isso. A partir do momento em que vira um evento de marketing político e de patrocinadoras, o Carnaval deixa de ser uma festa popular”, critica.

Maia sublinha que, neste ano, a Nação Zumbi vai fazer o bloco Troça Elétrica, em Fortaleza (CE), além de um pré-Carnaval em Salvador (BA) e eventos em outras cidades, como BH. “Vai ser este o nosso Carnaval”, diz o guitarrista, lembrando a relação da banda com a capital mineira. “Foi uma das primeiras cidades em que tocamos fora de Recife, no começo da banda. Sempre adoramos BH”.

Serviço: Movimento Benedito. Sábado (9), a partir das 20h, na Serraria Souza Pinto (av. Assis Chateaubriand, 899 – Centro). Ingressos: R$ 30.

Leia mais:

Faraó e Baianas Ozadas se apresentam no espaço do Mineirinho

Jards Macalé fala sobre 'Besta Fera', seu primeiro disco de inéditas em 20 anos

Xuxa estreia 'The Four Brasil', reality que promete inovar programas musicais