“Retrogamer”. Esse é o termo que vem sendo utilizado para designar os especialistas em jogos “antigos”. E sim, são milhares, os aficionados por jogos que se caracterizam por poucos recursos gráficos – e alto grau de dificuldade. No Facebook, não são poucas as comunidades dedicadas a esse público, que, juntas, somam mais de 50 mil fãs de carteirinha.

Sonic, Mario, Megaman, Pac-man e tantos outros personagens icônicos de títulos de videogames ainda acompanham diversas gerações nos últimos 30 anos, mesmo com as novas tecnologias e os jogos em 3D.

Pensando na popularidade desses jogos, algumas empresas do setor continuam com as vendas de consoles e produzem remake de títulos antigos. No mundo, os games já faturam mais que o cinema e a música juntos, e o mercado cresce a um ritmo de 10% ao ano. “Os jogos independentes têm chamado a atenção tanto de jogadores quanto das próprias empresas. São produções que possuem um custo de desenvolvimento mais baixo que os grandes lançamentos”, comenta o vice-presidente da Associação Brasileira de Desenvolvedores de Games (Abragames), Fred Vasconcelos.

Amantes deste tipo de entretenimento valorizam o jogo em si, o que chamam de “gameplay”. A nostalgia e os desafios dos jogos “retrô” – das décadas de 80 e 90 – que, segundo muitos, são mais difíceis do que os atuais é o que motiva. “São mais simples graficamente e, por isso, exigem mais da imaginação. Como a memória das fitas era restrita, a empresa tinha que focar no jogo, não dava para contar muita história, como os atuais”, explica Vasconcelos.

No cinema, com 'Pixels’

A indústria cinematográfica também pega carona nessa onda. Dia 23, os cinemas recebem “Pixels”, de Chris Columbus (“Esqueceram de Mim” e “Harry Potter e a Pedra Filosofal”). Protagonizado por Adam Sandler, a produção tem, entre suas estrelas, Pac-Man (que completa 35 anos), Donkey Kong e Space Invaders.

A comédia de ficção científica simula uma invasão de personagens dos games na vida real, e conta com a participação do criador do Pac-Man, o japonês Toru Iwatani.

Aficionados se inteiram das novidades, mas cultuam o ‘antigo’

A maioria dos fãs de games antigos revela que começou a jogar com o saudoso Atari. “Gosto das novas tecnologias, mas não larguei os antigos. Há uma nostalgia em jogar no console do passado”, afirma o analista de projetos Freddy Brumano, 34 anos.

O rapaz possui 15 videogames – entre novos e antigos – e mais de cem jogos. “Jogo com bastante frequência. Sempre reúno um pessoal em casa para brincar e relembrar os momentos do passado”. Para Freddy, o mercado de games retrô é de tal forma promissor que criou um estúdio – junto a quatro primos – para criar jogos em plataforma 2D. “Em breve, vamos lançar um jogo. Quero incentivar os que gostam de computador a abrir uma empresa independente”, explica.

Assim como para Brumano, o Atari foi a porta de entrada para os amigos (e vizinhos) Junior Neiva, 44, e Geraldo Luís, 29. Juntos, eles possuem quase todos os consoles de 1982 a 2013. E inúmeros jogos. “Mesmo no nível normal, o jogo antigo é mais difícil que os atuais. Já quebrei manete do Atari jogando Decathlon. Não chegávamos ao objetivo final. E atualmente, você pode jogar em qualquer dispositivo móvel”, assegura o auxiliar de escritório, Junior Neiva, que também joga os games de “antigamente” no computador e celular.

 

Neiva, aliás, já está ligado na estreia de “Pixels”. “Não sou fã do Adam Sandler, mas vou pela temática. O trailer está muito bom”.

Raridades

Onda de culto a jogo retrô chega ao cinema, com a estreia, dia 23, de ‘pixels’

O micro empresário Geraldo Luís, que coleciona os games com Junior, vive em busca de raridades. “Quando as locadoras estavam se desfazendo, comprei muitos jogos. Sempre que sei de um game antigo, vou atrás”, relata.

Para ele, que também se aventura na criação, os jogos atuais são muito autoexplicativos. “Jogo todos os dias. E crio jogos 2D para a internet. Uma forma de aprender mais sobre os jogos”, explica.

Geraldo possui um site (truenerd.com.br) voltado ao público nerd. “São diversos objetos personalizados. Vejo que quem gosta de games não quer saber quanto custam. Querem e pronto”, afirma.

Para a maioria dos “retrogamers” um console se torna “clássico”, quando deixa de ser fabricado. Os jogos do Atari e Nintendo venderam mais de um milhão de cópias pelo mundo (cada). Super Mario Bros é o jogo mais vendido

O longa-metragem “Pixels” foi baseado no curta homônimo lançado em 2010. Confira:

 
Assista o trailler do filme:
 
 
 
A Sony Pictures Brasil divulgou um vídeo com o ator Adam Sandler e Mônica, personagem de Mauricio de Sousa, para divulgar o filme "Pixels". Confira: