A incrível história trágica e de superação do pianista João Carlos Martins, um dos grandes nomes da música clássica brasileira, é a linha mestra do espetáculo que será apresentado neste fim de semana no Sesc Palladium.

“Concertos para João” narra o drama daquele que é considerado também um dos grandes especialistas em Bach no mundo desde o fatídico dia em que levou um tombo em pleno Central Park, em Nova York. A queda lesionou um dos nervos da mão, comprometeu o movimento de três dedos e o tirou dos palcos pela primeira vez. Tinha 25 anos e o piano dele ficou em silêncio por 12 meses.

As tentativas de retornar ao trabalho foram difíceis, mas ele conseguiu, por um tempo. Os problemas persistiram e veio o segundo afastamento, bem mais longo e traumático –sete anos, ao todo.

Aos 35 anos de idade, João Carlos Martins resolveu voltar ao ofício. Foi quando descobriu que era portador de distúrbios osteomoleculares relacionados ao trabalho e, mais uma vez, teve que abandonar os palcos. Anos mais tarde, apesar das sequelas, decidiu fazer nova tentativa de manter o casamento com o piano, parceria que o tornou conhecido no Brasil e no mundo.

O gênio criativo foi fundamental e ele fez adaptações na forma de tocar para seguir em frente. Ao mesmo tempo, iniciou a gravação completa da obra de Sebastian Bach. Em 1995, durante assalto na Bulgária, levou um golpe na cabeça que comprometeu temporariamente os movimentos da mão direita, recuperados depois.

A violência, no entanto, comprometeu parte da fala e rendia ao artista muitas dores no braço. A cirurgia feita para corrigir o problema afetou novamente os movimentos da mão direita. Longe de desistir, João Carlos Martins passou a fazer apresentações apenas com a mão esquerda. E seguia encantando plateias.

Aí veio uma nova doença neurológica e perda da mobilidade também na mão esquerda, o que o obrigou a, definitivamente, em 2002, encerrar a carreira de pianista, mas não a deixar de se apresentar.

Hoje, João Carlos Martins rege. Mesmo com todas as limitações físicas, no final dos concertos costuma deixar a regência e sentar-se ao piano para rápidas e emocionantes apresentações, o que o público mineiro terá a oportunidade de conferir nas duas apresentações deste fim de semana
Nele, o autor, Sérgio Roveri, condensa a vida do maestro em poucos dias, quando ficou internado, em 2012, para o último procedimento cirúrgico. “O que mais me inspirou na hora de escrever foram os momentos em que ele se viu privado deste talento. E penso que, ao conduzir a história por este caminho, a peça deixa de falar apenas dele e passa a falar de todo grande artista que, de repente, se vê impedido de realizar sua arte”.

Serviço
Concerto para João, sábado (16), às 21h,  e domingo às 19h no Sesc Palladium (
Av. Augusto de Lima, 420 - Centro). Ingressos: Plateia I e II (R$ 100 inteira e R$ 50 meia-entrada) | Plateia III (R$ 75 inteira e R$ 37,50 meia-entrada)