Nesta sexta-feira (7) o jornalista e poeta Alécio Cunha completaria 50 anos. Para celebrar a data, uma série de ações poéticas foram realizadas em 28 cidades do Sul de Minas para homenageá-lo. O Coletivo Literário Polígono Sul-Mineiro do Livro escreveu poemas nas calçadas com giz e espalhou bilhetes com versos do escritor nascido em Boa Esperança e morto em novembro de 2009.

A programação inclui ainda rodas e círculos de leituras, saraus e tertúlias em bibliotecas públicas, escolares, comunitárias, universitárias, além de leituras, performances, instalações, intervenções em espaços públicos.

O ponto de encontro para as leituras e as conversas “alecianas” ficará sediado no espaço dedicado ao autor na Biblioteca Pública Municipal Hilda Vilela Freire, em Boa Esperança. Local que também abriga a Academia Dorense de Letras, onde Alécio Cunha ocupou uma de suas cadeiras.

Jornalista formado pela UFMG, Alécio Cunha trabalhou como repórter de Cultura do Hoje em Dia por 14 anos. Morto em 2009 após sofrer um AVC, ele deixou trabalhos inéditos e três livros publicados: “Lírica Caduca” (poemas, 1999), “Mínima Memória” (poemas, 2007), “Mário Mariano” (ensaio, 2007). Também integrou diversas antologias: “Cinema em Palavras “(1996), “O Achamento de Portugal”(2005), “Pelada poética (2006)” e “Terças poéticas” (2006).