Cheryl Boone Isaacs, presidente da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, fez um "mea culpa" em relação às críticas que a instituição tem recebido pela desigualdade nas últimas edições do Oscar.

Em discurso na cerimônia no domingo (28), ela afirmou que a instituição tem responsabilidade por dialogar com um público "global e diverso" e que precisa ser um "reflexo da mudança" da sociedade.

"Todo mundo em Hollywood tem responsabilidades nas mudanças. Precisamos agir. Inclusão nos fará mais fortes", afirmou.

Nesta edição, o Oscar foi criticado por não indicar artistas negros em suas principais categorias -o ator Will Smith e o diretor Spike Lee boicotaram a cerimônia. Um estudo também apontou que Hollywood é um clube de meninos brancos, por não dar espaço a mulheres e à diversidade étnica.

Isaacs, no entanto, não deu exemplos concretos das mudanças que a instituição que preside estaria tomando para se tornar mais inclusiva.