A preservação da história e da memória de Minas Gerais passa, obrigatoriamente, pela Imprensa Oficial. Completando 122 anos, o órgão inaugura nesta quinta-feira (13) uma programação cultural que se estenderá até dezembro. 
 
Estão previstos, por exemplo, lançamentos de livro. “Conseguimos reunir 61 autores (juízes, desembargadores, promotores, procuradores e advogados), cada um narrando um fato, ocorrido em audiências, julgamentos e mesmo em escritórios”, observa o presidente do órgão, Eugênio Ferraz.
 
Outra publicação é o “Cadernos de Paleografia, número I”, projeto voluntário e desenvolvido por alunos da UFMG. “Um grupo de alunos e pós-graduandos em História da UFMG promoveu palestras e discutiu determinado documento do século 18. O livro reproduz o documento original, a sua transcrição com comentários”, frisa.
 
As artes plásticas também serão contempladas. O desembargador José Marcos Vieira, por exemplo, expõe 20 quadros que reportam à Minas Colonial em “O Retorno”. Outro destaque é a exibição do documentário “Nos Passos de Aleijadinho”. “Também teremos o pré-lançamento do livro ‘Aleijadinho – 200 anos’, com pinturas de Carlos Bracher”, explica. Não só. Será inaugurada uma biblioteca sustentável – feita com material de sucata da indústria de gráfica – e uma sala de placas, que conta a história do prédio e da Imprensa Oficial. O encerramento acontece nesta quinta, às 18h, com o grupo Valores de Minas. 
 
Em dezembro, a programação segue com o lançamentos de livros (“122 Sábados Passados”, de reportagens, e “Suplemento Literário – Ilustrações”). “E vamos lançar também algo revolucionário na historiografia brasileira”, diz Eugênio, sem detalhar. 
 
A Imprensa Oficial, vale lembrar, fica na av. Augusto de Lima, 270, Centro.