Não existe cólera, raiva ou qualquer sentimento negativo no I.R.A. O projeto, que extraiu sua sigla de Inter Residências Ações e focou suas lentes nas paisagens do entorno de São João del-Rei, o chamado Campo das Vertentes, procurou a luz da natureza. No princípio, era a paisagem. Ou a busca da paisagem. Mas o resultado final, que na sexta-feira (19) será lançado gratuitamente em formato livro (o work in progress com fotos, registros e impressões, está registrado no site IRA.Art.br) e integra a programação do 26º Festival de Inverno de São João del-Rei, apresenta mais do que isso. E a razão desse plus talvez venha do formato da iniciativa.

Durante dez dias, dois fotógrafos reconhecidamente talentosos reuniram-se com um grupo formado por dez alunos da Universidade Federal de SJDR. O mineiro Eustáquio Neves e o paulista Miguel Chikaoka encontraram o coletivo "Sem Eira Nem Beira" e estabeleceram o pacto.
 
Experimental
 
A verve experimental permearia todo o processo e, dentro dele, naturalmente caberiam infinitas possibilidades. "Houve uma liberdade muito grande desde o princípio dos trabalhos. Acho que ninguém ficou preso ao tecnicismo e todo mundo procurou trabalhar o olhar descobrindo novos caminhos" diz Violeta Assumpção, uma das alunas integrantes do "sem eira". Orientação para isso não deve ter sido o problema. Eustáquio Neves é um fotógrafo e videoartista autodidata. Formado em química, desde 1989, pesquisa e desenvolve técnicas alternativas e multidisciplinares, manipulando negativos e cópias.
 
Seu trabalho sempre teve um forte sabor político e é visto como um artista livre e genuinamente preocupado com a causa negra. Chikaoka é paulista mas reside e trabalha em Belém desde 1980. É dele o conceito da Fotoativa, um núcleo de experimentação, pesquisa e difusão da fotografia e seus desdobramentos. O coletivo detectou nele um educador nato e, como Neves, defende o entendimento dos princípios sociais do fazer fotográfico. "O Eustáquio criou uma coisa inédita: ele ampliava pedaços de negativo e ia formando manualmente uma outra imagem no papel fotográfico. Isso virou uma característica muito própria dele. Há muito tempo não o vejo, mas sempre gostei de tudo que ele faz", revela o fotógrafo Fábio Cançado que já participou no passado de oficinas com Neves. A coordenação do projeto foi feita por outros dois conhecedores do ‘riscado’. Pedro Motta e Daniel Perini, fotógrafo e sociólogo, respectivamente, conceituaram toda a I.R.A e são os responsáveis pela produção. "Foi super gratificante participar desta iniciativa. A pegada do coletivo e a liberdade impressa pelo Miguel e pelo Eustáquio - e a relação deles com todos – foram decisivas. Ao mesmo tempo, houve o repasse dos primórdios da fotografia e a abertura para as novas tecnologias", resume Pedro Motta.
 
Nesta sexta-feira, durante o lançamento do livro - entre as 15 e 17 horas - está prevista a montagem da câmara obscura "Tenda dos Milagres" (dispositivo óptico criado pela Companhia de Inventos de Tiradentes). E o público poderá interagir com o aparato, registrando imagens e compartilhando.
 
Ousadia no Campo das Vertentes
 
O livro que registra o trabalho iniciado em janeiro deste ano pelo premiado fotógrafo Pedro Motta e pelo sociólogo e gestor cultural Daniel Perini apresenta em imagens diversas o caráter livre que foi impresso desde o princípio no I.R.A. A natureza do entorno da histórica São João del-Reié retratada em cores e em preto e branco, mas nem só de paisagem vive a publicação. O coletivo sai da terra e foca o céu, foge do óbvio ao reproduzir imagens de galhos e árvores em seus próprios corpos nus e retratam as próprias câmaras antigas se apropriando de outras imagens. 
 
"Foi instigante, provocante e contou com esse deslocamento. Tanto o deslocamento físico, do caminhar no campo, quanto o deslocamento abstrato, da poesia", disse Miguel Chikaoka ao Hoje em Dia, por telefone, direto de Belém do Pará, onde reside e trabalha. Amanhã ele estará junto com toda a turma em São João del-Rei.
 
"Acredito que foi importante a investigação das potencialidades do fazer fotográfico. Para mim, foi um prazer trabalhar ao lado de Eustáquio Neves que é uma pessoa muito querida", completou Chikaoka. O lançamento será próximo ao Anfiteatro do Campus Santo Antônio e terá a presença de todos os envolvidos no I.R.A, como o professor Eduardo de Jesus (autor do texto) e Fernanda Monte Mor (projeto gráfico).