Um dos quatro elementos da cultura hip-hop, o graffiti pode ser uma potente ferramenta de transformação social – principalmente para a juventude periférica. Foi pensando nisso que o grafiteiro Rafael Boneco criou o projeto “Se Essa Rua Fosse Minha Eu Mandava Grafitar”, cuja a primeira edição acontece neste domingo (25), na Vila São Rafael, Região Leste de BH.

Conhecida como Gogó da Ema, a comunidade será contemplada com um mutirão de graffiti que pintará uma área de aproximadamente 1.200m² de muros. “O projeto usa o graffiti para levantar questões a respeito da própria comunidade, como pertencimento e uso do espaço público, além de contribuir com uma melhoria estética”, explica o artista. 

Boneco conta que, dos 60 artistas envolvidos, apenas 10 foram escolhidos pelo histórico na arte de rua. Os outros 50 foram selecionados a partir de um processo de inscrição gratuito, aberto para toda a capital e Região Metropolitana. “Com o projeto, estamos promovendo também o fortalecimento econômico da comunidade, porque toda a equipe é formada por pessoas que vivem lá”. 

O projeto engloba ainda uma oficina que será ministrada pelos grafiteiros Mateus Ramos (Mono) e Alex Breno (Manim), integrantes da Nou Crew – equipe de graffiti formada na comunidade. “Esses artistas já faziam ações autônomas, pintando a ‘quebrada’ de forma informal. Então, a gente resolveu organizar essas atuações”, afirma Boneco. 

A oficina tem duração de seis horas e é gratuita, com inscrições feitas no local. “O graffiti tem o papel importante de oferecer novas visões, interpretações e conexões. Abre caminhos para a juventude periférica e contribui com o empoderamento cultural dessas populações tão negligenciadas”, finaliza o artista.

Serviço: 1º “Se Essa Rua Fosse Minha Eu Mandava Grafitar”. Domingo (25), de 8h às 18h, na Vila São Rafael (rua Luiz Cerqueira, 113 – Pompéia). Evento gratuito.