Bem humorado, Afonso Borges desafia: "Duvido que um projeto cultural consiga reunir tantas feras em um só produto. É só ler a lista", diz, referindo-se ao lançamento da sétima edição dos DVDs "Cultura Para a Educação VII", que compreende 15 dos 50 encontros realizados durante o ano pelo projeto "Sempre um Papo". O material consiste em mil caixas, com 5 DVDs cada, que, sob a coordenação da Secretaria de Educação de Minas Gerais, serão distribuídas gratuitamente para escolas da rede pública.

As feras às quais Afonso se refere? Bem, integram, essa edição, os autores: Sebastião Salgado e Lélia Wanick Salgado, Ailton Krenak, Leonardo Boff, Alberto Villas, Mario Sergio Cortella e Gilberto Dimenstein, Fabrício Carpinejar, Tico Santa Cruz, Sérgio Abranches, Lya Luft e Nélida Piñon, André Trigueiro, José Luiz Peixoto, Frei Betto, Mauricio de Sousa, Mary Del Priore, Gonçalo Tavares e José Paulo Cavalcanti Filho. Com o objetivo de incentivar o hábito da leitura o projeto, neste ano, esteve presente em BH, São Paulo, Sete Lagoas, Araxá, Ouro Preto, Ouro Branco, Congonhas, Itabirito, Moeda e Conselheiro Lafaiete, somando 50 encontros, com a presença de cerca de nove mil pessoas.

Para 2016, o programa terá um plus e tanto: as comemorações dos 30 anos. "Sempre me surpreendo com isso. São tantos eventos que forma-se um turbilhão na minha cabeça. E, volta e meia, alguém me lembra de um acontecido, um caso, um evento. Sinto que os convidados, de alguma forma, fizeram a cabeça de algumas gerações. Mas é uma coisa fluida, abstrata", observa Borges, para filosofar, em seguida. "Mas são de coisas abstratas que as consciências são constituídas".

A poesia, prossegue Borges, modelaria, a seu ver, a alma das pessoas. "A fala dos convidados durante todos estes anos ainda está no ar, na memória das pessoas. Só isso já valeu a pena". Sobre a temporada 2015, ele destaca o encontro com Sebastião e Lélia Salgado, em março. "Foi impressionante. Não só pelo conteúdo, mas pela premonição (referindo-se à tragédia em Mariana). O projeto de recuperação da Bacia do Rio Doce está pronto há cinco anos! E ele disse: ‘os rios estão morrendo’".

Outro encontro que o marcou foi o de Mario Sergio Cortella e Gilberto Dimenstein. "Eles estavam em uma noite inspiradíssima! É uma pérola! Um que ficou fora do DVD, mas que foi importante, também, foi o da Adélia Prado, veiculado pela TV Sesc. Uma maravilha, aos 80 anos!".

Reflexo dos tempos atuais, o clima político foi citado em quase todos os evento. "Isso nos levou a um esforço redobrado no cuidado com o conteúdo, para que não ficasse uma coisa datada. A questão é que vivemos, em todos os sentidos, um afunilamento dos conceitos. O tônus da nossa reflexão são as perguntas. Vivemos a era das perguntas. Como sair deste turbilhão? Marcia Tiburi, com o seu ‘Como Conversar com um Fascista’, ensinou bem: dialogando. Só o diálogo vai nos levar às respostas. E isso o ‘Sempre Um Papo’ faz bem, há 30 anos: conduzir respostas", conclui.

‘Minha primeira ideia é fazer 30 eventos, para comemorar os 30 anos, com os principais escritores brasileiros. Mas muita coisa está na cabeça