O serviço alfandegário francês apreendeu na sexta-feira em um barco na ilha de Córsega um quadro de Pablo Picasso declarado "inexportável" pelas autoridades espanholas que pertence ao banqueiro Jaime Botín e que está avaliado em mais de 25 milhões de euros.
 
Os funcionários franceses receberam na quinta-feira no escritório da alfândega de Bastia (noroeste da Córsega) um pedido de exportação à Suíça do quadro de Picasso "Cabeça de mulher jovem", propriedade do banqueiro espanhol Jaime Botín.
 
No dia seguinte, os agentes da alfândega de Calvi (noroeste da ilha mediterrânea) "se apresentaram a bordo do navio que transportava a obra, atracado no porto esportivo" da cidade, e exigiram os "documentos relacionados à situação do quadro", segundo um comunicado do serviço alfandegário francês.
 
"O capitão do barco só pôde apresentar um documento de avaliação da obra e uma sentença redigida em língua espanhola, de maio de 2015, que emanava da Audiência Nacional espanhola e confirmava que se tratava de um tesouro nacional espanhol que em nenhum caso poderia sair da Espanha".
 
Este quadro, "de um valor estimado em mais de 25 milhões de euros", segundo o serviço alfandegário, é propriedade de Jaime Botín, irmão de Emilio Botín, que foi presidente do primeiro banco espanhol Santander, de 1986 até sua morte em setembro de 2014.
 
Em dezembro de 2012, a filial espanhola da casa de leilões Christie's apresentou na Espanha um pedido para exportar o quadro a Londres para ser colocado à venda, mas o ministério da Cultura espanhol declarou "inexportável o quadro, já que era uma das poucas obras de Picasso em uma etapa histórica", afirmou nesta terça-feira uma porta-voz deste ministério.