Com um jeito peculiar para compor, Rafael Martini faz sua estreia solo com o álbum “Motivo”. Já reconhecido, respeitado e premiado pela carreira como compositor e instrumentista, o músico tenta reunir, no novo trabalho, as duas vertentes que lhe caracterizam: canção e instrumental. O disco conta com sete músicas próprias e uma releitura de Tom Jobim (“Tempo de Mar”).
 
No show de lançamento, que acontece neste sábado (7), no Museu de Arte da Pampulha (MAP), Martini mostra uma faceta inédita, já que canta em três faixas do CD.
 
O álbum mescla influências do rock, jazz contemporâneo, ritmos latino-americanos, MPB e música erudita. “Motivo” foi produzido de uma forma descontraída e nada tradicional. Em uma semana, o compositor e os músicos convidados se reuniram numa fazenda, em Entre Rios de Minas, e dali foram surgindo as ideias. “Era para dar tudo errado e deu tudo muito certo. Foram oito músicas gravadas em uma semana! A improvisação é a marca deste trabalho”, comenta o compositor.
 
Este “improviso” emociona e faz com que a música, como enfatiza o artista, se torne viva. “O disco foi gravado ao vivo, ou seja, todo mundo tocando junto, negócio raro hoje em dia. Montamos um estúdio móvel e ainda saímos catando instrumentos na cidade inteira”, revela.
 
A pretensão é levar essa descontração para o show de estreia. Diferentemente do palco italiano (onde os músicos ficam distante do público), a ideia é trazer a plateia para dentro da apresentação. Almofadas serão espalhadas pelo espaço e não haverá a divisão entre palco e espectador. “É como o ambiente que tivemos na fazenda: todos juntos numa conversa”, comenta Martini.

Serviço
Quando: Neste sábado, 07 de julho, às 18h30
Onde: Museu de Arte da Pampulha (Av. Otacílio Negrão de Lima, 16.585)
Ingressos: à venda na bilheteria do MAP, a partir das 17h, a R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia). O ingresso dá direito a um CD “Motivo”