O repertório que o Rocktoberfest exibirá amanhã, na Serraria Souza Pinto, pode ser cover, mas é muito mais rock que um grande evento que está sendo realizado no Rio de Janeiro. Pelo menos é assim que pensam alguns dos curtidores do gênero, que tem em Belo Horizonte uma referência nacional.

“Nas redes sociais do Rocktoberfest, há quem diga que temos que agradecer, já que o ‘verdadeiro’ Rock in Rio está acontecendo na nossa cidade”, registra o organizador Gipson Mol, lembrando que o evento carioca, há muitos anos, deixou de ser rock para virar uma mistura de gêneros, indo do MPB ao funk e ao axé.

Mol é responsável por outras misturas em BH, como, em pleno Carnaval, realizar o Carnarock, reunindo um público de 4 mil pessoas na mesma Serraria Souza Pinto que usará como desculpa o Oktoberfest, tradicional festival de cerveja nascido na Alemanha e que se espalhou pelo mundo, para despejar mais rock.

Nestes eventos (há ainda o Rock no Mercado e o Rock do Quintal), a tônica é o cover. Nada contra o autoral, explica Mol. É uma questão de público. “Infelizmente, as bandas autorais hoje não têm oportunidades nas poucas casas de rock na cidade. E num evento como o nosso, não tem como  colocá-las, pois não tracionam o público que desejamos. Mas espero que este mude e passe a favorecer as autorais também”.

Mol salienta que só neste tipo de evento se consegue reunir mais de dez bandas ao mesmo tempo. “Há casas noturnas que, pelo horário de funcionamento, não passam de duas bandas no mesmo dia”, registra. A resposta, segundo ele, tem sido excelente, o que já o faz imaginar um local ainda mais amplo, como o Mineirão.

Entre as bandas que estarão presentes no Rocktoberfest estão Lurex, LED III, Ca$h, Velotrol, Hard and Heavy, Hocus Pocus, Mago Zen e Poison Gas, que tocarão em 12 horas ininterruptas música que vai do rock clássico ao contemporâneo. O evento contará ainda com danças, comidas, bebidas e brincadeiras típicas do Oktoberfest. 

Vocalista do Velotrol, que completa 19 anos na próxima semana, Elvis Krause explica que o grupo não é tão radical quanto outras bandas da cena mineira. “O que a gente faz são releituras, adaptando as canções para uma realidade nossa. Também não busco imitar a voz dos cantores originais. Gostamos da diversão, da irreverência”, assinala.

Roctoberfest – Amanhã, das 15 às 4h. Na Serraria Souza Pinto (Avenida Assis Chateaubriand, 889). Veja programação e ingressos no site rocktoberfest2019.com.br