Para viver num mundo de super-heróis, só faltam mesmo pessoas com superpoderes. Eles, afinal, estão por toda parte. No ano passado, seis das dez maiores bilheterias nos EUA foram de filmes com super-heróis. Em toda esquina, é possível ver canecas, camisas e bonecos do Homem de Ferro, Batman e similares. Como nos quadrinhos da Marvel e da DC, The Boys, série em oito episódios do Amazon Prime Video que estreia nesta sexta, 26, também imagina um mundo em que os super-heróis de fato existem. Só que eles não são necessariamente "heróis". "Obviamente há uma preponderância de super-heróis por aí. Eu mesmo sou fã", disse Eric Kripke, que produz a série baseada nos quadrinhos de Garth Ennis e Darick Robertson com Seth Rogen e Evan Goldberg, o que garante uma dose de humor. "Mas há uma mitologia inflada, pedindo por favor para alguém desconstruí-la. The Boys é irreverente, chocante, engraçada e, espero, emocionante, mas diz, basicamente, que super-heróis são uns babacas."

Os "garotos" do título são um grupo liderado por Butcher (Karl Urban) para justamente investigar "The Seven", os sete principais heróis patrocinados pelo grande conglomerado Vought e gerenciados por Madelyn Stillwell (Elisabeth Shue), que produz filmes, produtos e, de quebra, tenta faturar alguns contratos milionários com governos. "Conversamos com Garth para entender no que ele estava pensando quando criou a história, em meados dos anos 2000", disse Kripke. "E ele respondeu que estava interessado no que aconteceria ao misturar o pior da política com o pior da cultura das celebridades. Na época, parecia uma ideia estapafúrdia! E agora o mundo chegou lá."

Tanto os "boys" quanto os "supes", o apelido dos super-heróis, são apresentados pelo ponto de vista de dois novatos. Hughie (Jack Quaid, filho de Dennis Quaid e Meg Ryan) é um jovem atendente numa loja de eletrônicos que fica com sede de vingança depois de ver sua namorada explodir em sangue e vísceras ao ser atravessada por A-Train (Jessie T. Usher), um dos "supes" - um suposto acidente que fica impune, pois famosos e poderosos são intocáveis.

Starlight (Erin Moriarty) é a nova integrante dos Seven, uma menina do interior que realmente acredita em ajudar as pessoas, mas que descobre logo que seus companheiros - além de A-Train, Homelander (Antony Starr), Queen Maeve (Dominique McElligott), The Deep (Chace Crawford), Translucent (Alex Hassell) e Black Noir (Nathan Mitchell) - estão mais interessados em bilheterias e pesquisas de popularidade. Logo de cara, ela é vítima de abuso sexual, por exemplo. "Os quadrinhos são incendiários", disse Kripke. "Nem tudo vai estar na série, mas não queríamos fugir dos assuntos difíceis, especialmente se é algo que está acontecendo no nosso mundo. Assédio sexual acontece no nosso mundo, e precisamos falar disso. O cuidado que tivemos foi de não tratar isso como piada." Para a atriz Erin Moriarty, foi uma sorte poder abordar temas assim. "Porque nós julgamos muito rapidamente e colocamos tudo em categorias: bom ou ruim. Então, pessoas boas fazem coisas boas e pessoas ruins fazem coisas ruins. E, na verdade, pessoas boas podem fazer coisas ruins também." E, claro, o poder, a fama e o dinheiro corrompem. "Vamos explorar a psicologia do que é ser o homem mais poderoso do mundo", disse Kripke. "E quão ferrada a cabeça dessa pessoa pode ficar."

The Boys, que já teve a segunda temporada confirmada, não vai ser a única série a desconstruir a mitologia: ainda este ano, a HBO estreia Watchmen, escrita por Damon Lindelof (Lost, The Leftovers) e inspirada pelos quadrinhos de Alan Moore e Dave Gibbons. Mesmo virando vilões, os super-heróis não dão pinta de deixar de dominar o cinema e a televisão tão cedo.