Black Music repaginada e com sotaque mineiro. É assim que o músico, compositor e produtor musical Barral Lima define o show que a banda instrumental mineira Refinaria Black apresenta sábado n’A Autêntica. O grupo revisita clássicos do gênero, com versões que misturam a black music ao hip-hop e ao rock. O show conta com a participação especial do cantor e compositor BNegão, um dos grandes expoentes do estilo no país. 

A ideia para o projeto surgiu há cerca de três anos, quando a banda buscava um repertório mais animado. “Vivemos num país tropical, quente, as pessoas gostam de festa e de dançar. A gente tocava músicas que às vezes eram muito tristes. Então pintou essa ideia”, diz Barral.

A empreitada teve o endosso do produtor musical Carlos Eduardo Miranda, falecido em março do ano passado. “A gente era muito próximo, amigo. Todas as ideias que eu tinha, falava com ele, porque era um cara que tinha uma visão muito ampla. Então, num papo em 2016, eu disse que queria fazer um som nessa linha e ele disse: vamos”, lembra.

A partir de um repertório com 25 canções – todas escolhidas por Miranda –, a banda definiu o setlist oficial dos shows, já apresentados em várias cidades do Estado. 

“Pegamos umas oito das que ele sugeriu e incluímos outras que queríamos”, afirma o músico. No repertório, estão ainda canções de BNegão e faixas do cantor e compositor mineiro Marku Ribas, o homenageado pela banda.

O tributo ao mineiro deve render mais frutos. Barral adianta que o grupo entra em estúdio no fim do ano para gravar um disco em homenagem a Marku – BNegão já tem presença confirmada entre os convidados. 

“Ele topou na hora, queria até tocar o disco todo. Mas aí eu disse para ele que perderia o sentido, porque somos uma banda instrumental. Mas vamos convidar outros cantores também e ter algumas participações”, pontua. 

Baile Refinaria Black convida BNegão, sábado, às 22h, n’ A Autêntica (rua Alagoas, 1.172 – Savassi) Ingresso: R$25 inteira / R$12,50