Adentrar o apartamento de João Carlos Martins, em São Paulo, no dia 4 de setembro de 2018, culminou em um tríplice estado de deleite a Edu Falaschi. Primeiro, pelo simples fato de estar ali, a convite do maestro – um de seus ídolos –, que ansiava forjar uma aliança com um cantor de heavy metal em um projeto. Segundo, pela ‘jam’ que os dois protagonizaram, no formato voz e piano. E finalmente quando, ao término daquela ‘audição’, Martins virou para Falaschi e disse: “Achei a pessoa certa”.

Aquele encontro serviu de prólogo para o concerto realizado no último dia 4, em São Paulo, envolvendo a banda solo do vocalista e a Orquestra Bachiana Filarmônica, regida por Martins, e que será lançado em DVD, previsto para o início de 2020. Numa miscelânea de metal e música clássica, foi executado, na íntegra, o disco “Temple of Shadows” (2004), do Angra, banda que Falaschi fez parte por mais de uma década, além de outras canções da carreira do cantor. Repertório este que será apresentado pelo roqueiro nesta sexta-feira (24), no Cine Theatro Brasil Vallourec, em Belo Horizonte, num formato mais enxuto.

“Para este show, utilizaremos um quarteto de cordas, que tem acompanhado nossa banda nessa turnê tão especial. Além de celebrar os 15 anos desse álbum, um dos mais importantes da minha trajetória musical, vamos tocar músicas como “Nova Era” e “Rebirth” (ambas do álbum “Rebirth”, de 2001, também do Angra)”, relata Falaschi.

Acostumado a excursionar e gravar discos sob a égide do heavy metal – além de Angra, ele também integrou grupos como Almah e Symbols –, o cantor esbanja euforia com relação à atual turnê – “Temple of Shadows in Concert” –, ambientada para os grandes teatros.

“É muito legal e interessante tocar em um teatro, uma experiência incrível. É um local preparado para peças desse porte e que pode comportar todo um cenário. E tem uma acústica pronta para espetáculos. Estar com um quarteto de cordas dá um gás a mais nas músicas. É um presente para todos”, ressalta.

Em tom cômico, o vocalista aponta ainda um outro motivo que torna a ocasião especial. “Muitos fãs que me acompanham desde a época do ‘Rebirth’ e do ‘Temple of Shadows’ estão com mais de 30 anos, casados e com filhos. Assistir um show sentados pode ajuda-los, porque estão mais velhinhos (risos)”, diverte-se. “E os novos fãs vivenciam uma nova experiência também. É uma forma mais ‘classuda’ de ver um show’, completa.

O concerto em BH contará ainda com as participações de Mike Orlando, guitarrista do Adrenaline Mob, e Thiago Bianchi, ex-vocalista do Shaman.

Maestro

Até hoje o vocalista se mostra atônito com o fato de João Carlos Martins estar presente no concerto de gravação do DVD. “Uma amiga minha violoncelista, Paula Martins, trabalhou com a Orquestra Bachiana durante muito tempo e me indicou ao João, que me convidou a ir a seu apartamento. Eu queria fazer um trabalho com uma orquestra, mas não imaginava que seria com ele. Fique super feliz que tudo tenha acontecido assim”, afirma.

Voo solo

Após gravar quatro discos de estúdio, um EP e um ao vivo com o Angra, Edu Falaschi deixou a banda em 2012, por conta de problemas de saúde que interferiram no desempenho da voz dele. Voltou a gravar com o Almah, mas depois de um show no Peru, em 2017, passou a investir pesado na carreira solo, dividindo-a em duas frentes. Ao mesmo tempo que em que revisita as músicas da era no Angra, dedica-se a criar composições.

“Gravamos o EP ‘The Glory of the Sacred Truth’, que foi muito bem recebido pelos fãs. Nela estão presentes a faixa-título e a balada ‘Streets of Florence’. E queremos lançar um disco de inéditas em 2020 com a galera que está tocando comigo”, resume.

Atualmente, a banda de Edu Falaschi é formada pelos guitarristas Diogo Mafra e Roberto Barros, o baixista Raphael Dafras, o tecladista Fábio Laguna e o baterista Aqiles Priester, sendo esses dois últimos companheiros do cantor n os tempos de Angra.

Andradas

Paulistano de origem, foi em Andradas, no Sul de Minas, que o cantor encontrou a paz e a tranquilidade necessárias para recarregar suas baterias após noites dedicadas ao peso do heavy metal.

“Parte da família do meu pai é de Minas, e eu tenho um carinho especial pelo Estado. Moro em Andradas, uma cidade linda, cheia de cachoeiras, montanhas, uma natureza muito bonita. Quando se está triste é só dar uma volta pela cidade para ficar feliz de novo. E o povo mineiro é muito carinhoso”, conta.


SERVIÇO:
Data:
24 de maio (sexta-feira)
Horário: 21h
Local: Cine Theatro Brasil Vallourec (av. Amazonas, 315, centro)
Ingressos: R$ 50 a R$ 120
Vendas: http://bit.do/EduFalaschiBH, bilheteria do Cine Theatro e Loja Eventim (Shopping 5ª Avenida/rua Alagoas, 1314, Loja 20C, Savassi)