Após entraves burocráticos e obras de readequação do espaço, o Teatro Raul Belém Machado, no bairro Alípio de Melo, finalmente foi entregue à comunidade.

A solenidade, realizada na manhã de ontem, contou com a presença de autoridades como o prefeito Marcio Lacerda, lideranças comunitárias e artistas da região.

No próximo domingo, o teatro recebe o grupo australiano de dança Descendance, além de apresentações de artistas da comunidade (confira ao lado).

A programação será intensificada em maio, com o Festival Internacional de Teatro (FIT-BH).

“Vamos receber espetáculos internacionais e locais no teatro interno. Um grupo circense vai montar lona na parte externa que ficará durante todo o festival”, adianta o diretor de Artes Cênicas da Fundação Municipal de Cultura, Jefferson da Fonseca Coutinho.

Espaço multiuso

O espaço volta a exercer sua vocação para as artes, uma vez que antigamente era ocupado por um circo. “Muito mais do que uma casa de espetáculos, o teatro vem como um centro de convivência e apoio a criação e a reflexão”, avalia Coutinho.

Com capacidade para receber 250 pessoas no espaço interno e cerca de 1.800 na área externa, o novo aparelho cultural é um espaço multiuso. “Vamos trabalhar com plateias móveis. Ele pode ser um teatro italiano, de arena, semi-arena e tem o palco para a esplanada”, enumera o diretor.

Outro importante aspecto é que este é o primeiro teatro público da cidade localizado fora da avenida do Contorno. “É importante descentralizar os espaços. E quanto à programação, nada virá desenhado dos gabinetes. A ideia é construir (a agenda) em conversas com as lideranças e artistas da região”, afirma Coutinho.

Para os moradores, este é um ganho esperado por muitos anos, uma vez que é fruto do Orçamento Participativo de 2007. “Acompanhamos cada passo dessa obra. Demorou, mas agora temos esse espaço que para nós é muito importante, pois não temos tanto acesso a outros bairros para ir ao teatro”, comenta a aposentada Selma Costa, de 65 anos.

Piano itinerante

Uma visita ilustre está hospedada no Teatro Raul Belém Machado. Trata-se de um piano raro que já passou por outros importantes espaços culturais da cidade e carrega a lenda de ter sido do compositor Chico Buarque.

Adquirido em 1994 em uma edição do FIT, o instrumento já serviu ao piano bar do Teatro Francisco Nunes, mas estava parado há um tempo. E agora ganha um projeto.

“Tem algo sendo desenhado para ele. Uma proposta de ele ser itinerante e ocupar espaços inusitados da cidade. Uma forma de despertar o Mozart que há nas pessoas”, comenta o gestor do teatro, Robson Welington sem revelar mais detalhes.

Teatro Raul Belém Machado é entregue à comunidade e receberá atrações do FIT

O grupo Garupadepau, da Escola Júlia Paraíso, se apresentou ontem na solenidade de entrega

Programação

Neste domingo, o Teatro Raul Belém Machado recebe extensa programação aberta ao público. Às 11h, o grupo australiano Descendance apresenta aspectos da cultura tradicional daquele país. Os artistas locais se apresentam logo em seguida.

Às 12h, tem o concerto de piano e violino com Tiago Oliveira; às 13h, apresentação da Academia Razão do Corpo; às 14h, a peça “Convênio Soama – À Tardinha e Brodowski” com o grupo Garupadepau, da Escola Júlia Paraíso; às 15h, grupo Primavida; às 16h, Dança Cigana; às 17h, capoeira com membros da Associação Grão Mestre Tigre; e às 18h, show de Mada.

Além dos espetáculos, o teatro, inserido no Espaço Cênico Yoshifumi Yagi, será palco permanente para realização de oficinas e atividades de pesquisa.

O nome do espaço é uma homenagem ao imigrante japonês que protagonizou iniciativas na área cultural da região. Já o nome do teatro homenageia o premiado cenógrafo e professor Raul Belém Machado.

A grande inovação do espaço foi apresentar um palco móvel, que pode servir tanto à área interna como à externa.