Um dos expoentes da literatura portuguesa, o escritor Valter Hugo Mãe desembarca hoje em Belo Horizonte para um lançamento triplo. Participando do “Sempre Um Papo”, o autor conversa com o público sobre os livros “Nosso Reino”, “As Mais Belas Coisas do Mundo” e “Contos de Cães e Maus Lobos”, que ganham edição especial e compõem a coleção do autor lançada pela editora Biblioteca Azul. 

Apesar de serem obras distintas e de épocas diferentes – “Nosso Reino”, por exemplo, é de 2004, e “Contos de Cães e Maus Lobos” é de 2015 – Valter Hugo Mãe explica que todas giram em torno do universo infantil. Nas narrativas, as crianças surgem como um paradigma de começo e limpidez. 

“Elas são muito honestas. E, para o tipo de literatura que faço, que tem uma preocupação muito ética, são um instrumento magnífico. Permitem que abordemos as temáticas mais difíceis em condições simples”, explica o autor.

Em “Nosso Reino”, o escritor conta a história de um menino de 8 anos de uma pequena aldeia de pescadores nos anos 1970 que tenta levar o que imagina ser a vida de um santo. “É um livro sincero, de uma imaginação quase surreal, algo delirante”, diz o autor, que define a obra como um retrato da solidão espiritual a partir do ponto de vista infantil.

Primeiro romance lançado pelo escritor, a obra também teve um papel importante nos próprios rumos da carreira de Valter Hugo Mãe. “Antes dele, eu escrevia apenas poesia. ‘Nosso Reino’ aconteceu como uma surpresa na minha vida que mudou tudo, o eixo da minha atenção, da narrativa e as questões que escrevo”, conta o autor, que recebeu, pelo romance, o Prêmio Literário José Saramago. 

A obra também coloca em cena uma das marcas do estilo de Valter Hugo Mãe: textos escritos apenas com letras minúsculas. “É uma estratégia que uso para que todas as palavras estejam em pé de igualdade. A intenção é de que as pessoas possam encontrar aquilo que elas mesmas consideram importante”, afirma. 

Memórias
O universo das crianças também é visto em “As Mais Belas Coisas do Mundo”, narrativa que originalmente foi lançada como parte do livro “Contos de Cães e Maus Lobos. Na obra, que ganhou publicação exclusiva e inédita no Brasil, o autor se inspira na relação que tinha com o avô materno durante a infância. “Ele tinha o costume de pedir que eu ficasse com ele, que eu respondesse às perguntas dele para instigar a minha curiosidade acerca do mundo. O livro parte um pouco disso, do avô usando a pergunta para seduzir o neto para o conhecimento”, diz. 

O escritor participa do Sempre Um Papo hoje, às 19h30, no Grande Teatro do Palácio das Artes (av. Afonso Pena, 1537 –Centro). Entrada Gratuita