SÃO PAULO - Após a revelação de que J.K. Rowling era a verdadeira autora do livro de suspense "The Cuckoo's Calling", as vendas do livro, que já iam bem, explodiram na internet. Robert Galbraith foi o pseudônimo usado pela criada da saga de Harry Potter para sua nova obra. 
 
O livro, que conta a história de Cormoran Strike, ex-combatente de guerra que se torna detetive, já havia vendido 1.500 exemplares no formato capa dura desde o seu lançamento, em abril. 
 
Segundo o jornal britânico "The Sunday Times", o bom desempenho de vendas de um autor desconhecido levantou as suspeitas da equipe do jornal, que decidiu apurar o caso e acabou descobrindo a verdadeira autora da façanha. 
 
O mistério e sua revelação funcionaram como qualquer detetive amador suspeitaria: alavancaram as vendas, como uma estratégia de marketing bem-sucedida, mesmo que tenha sido não intencional -as declarações da autora sugerem que a descoberta do verdadeiro autor sob o pseudônimo não era para ser revelado. 
 
"Eu esperava guardar este segredo durante um tempo mais porque ser Robert Galbraith foi uma experiência libertadora", declarou Rowling ao jornal britânico, acrescentado que "Foi maravilhoso publicar sem expectativa e por puro prazer para obter uma resposta com um nome diferente". 
 
Hoje, a experiência torna-se também ainda mais lucrativa: tanto o livro capa dura quanto a versão para o Kindle de "The Cuckoos's Calling" estão entre os mais vendidos no site da Amazon. 
 
Rowling publicou esse livro 15 anos depois de lançar o primeiro episódio da saga de Harry Potter, traduzida para 73 idiomas e da qual vendeu 450 milhões de cópias em mais de 200 países.