Com muita lenha pra queimar após 21 anos de carreira, Zeca Baleiro faz, no próximo sábado, no Grande Teatro do Palácio das Artes, apresentação única do novo show “O Amor no Caos”. O compositor maranhense, dono de sucessos como “Telegrama”, “Heavy Metal do Senhor” e “Proibida pra Mim”, adiciona maturidade à sagacidade costumeira de letras em faixas como “Todo Super-Homem” e “O Linchador”, em parceria com o rapper Rincon Sapiência. Mas o tom romântico tem sido a predileção do público nas músicas “Ela Nunca Diz” e “Por Minha Rua”, assinada com o uruguaio Dany Lopez. “Quando batizei o disco, me referia a um caos mais, digamos, planetário. Mas pode ser referente ao momento social e político do país por extensão, um momento de grande tensão e incomunicabilidade. Acho que o amor, não necessariamente o amor romântico, mas o afeto, a delicadeza e a generosidade têm um poder transformador muito grande. Precisamos cantar isso”, acredita Zeca Baleiro.

O novo álbum “O Amor no Caos vol.1”, lançado mês passado, tem a parceria inédita de Baleiro e Paulinho Moska na faixa “Pela Milésima Vez”, e com Frejat, em “Te Amei ali”. Para esse 11º disco da carreira de 22 anos, ele decidiu inovar e adotar um procedimento diferente na produção, “para sair da rotina”. Ao invés de finalizar o álbum e sair em turnê, Zeca Baleiro começou uma série de shows por cinco capitais brasileiras no fim de 2018, entre elas BH, onde se apresentou no KM de Vantagens Hall. Só depois entrou para o estúdio e se utilizou da resposta do público na composição das 11 faixas do álbum, finalizado em maio. “Foi bastante produtivo o processo. Poder testar algumas canções em público foi muito interessante. Várias canções surgiram depois da estreia, por isso estou preparando o volume 2”, conta, em referência ao projeto que deve lançar no segundo semestre. 

Além de lançado em CD e nas plataformas digitais, os dois volumes de “O Amor no Caos” serão disponibilizados em vinil. Aliás, para quem esteve no show do ano passado, o cantor adianta como novidades mais canções do álbum recém-lançado e ao menos uma faixa do volume 2, além de rearranjos de canções conhecidas. 

Parceria

Uma delas é “Flor da Pele”, sucesso do primeiro álbum, “Por Onde Estará Stephen Fry?”, de 1997. No ano passado, a música ganhou nova versão da cantora paulistana Rachell Luz, numa homenagem a cantores e compositores nordestinos como Dominguinhos, Nando Cordel e Fagner. A nova versão foi tão aceita que virou tema <CF35>da novela global “O sétimo guardião”, e estará no setlist do dia 29, com a presença de Rachell no palco Palácio das Artes.

“Há uma grande responsabilidade em fazer esses rearranjos porque existe um limite do quanto se pode mudar para conseguir trazer a essência da música original com uma roupagem diferente, algo que conseguimos fazer para uma música de conteúdo atemporal”, conta a artista. O dueto também deve apresentar outra regrava-ção da cantora na série de alusões a músicos nordestinos: “Chão de Giz”, de Zé Ramalho. [PE_BIOG]

SERVIÇO
Zeca Baleiro 
O Amor no Caos
Sábado (29/06) - 21h30
Grande Teatro do Palácio das Artes
Av. Afonso Pena, 1537 - Centro
Ingressos de R$ 110 a R$ 260