Instituto Inhotim abre museu de arte negra neste sábado; confira

Paulo Henrique Silva
phenrique@hojeemdia.com.br
04/12/2021 às 09:38.
Atualizado em 08/12/2021 às 01:12
 (Lucas Prates )

(Lucas Prates )

Viúva do artista plástico e ativista Abdias Nascimento, atualmente à frente do Instituto de Pesquisas e Estudos Afro-Brasileiros, Elisa Larkin Nascimento enxerga uma ação reparatória na abertura do Museu de Arte Negra, a partir deste sábado (4), no Instituto Inhotim. 

“Esperamos que não seja apenas uma exposição de longa duração, mas uma oportunidade de se pensar mais nos artistas negros como protagonistas, pensando em novas formas de interlocução, sobretudo com as comunidades no entorno de Brumadinho”, destaca.

Criado em 1950 para reforçar o debate sobre a arte negra no país, o Museu tem em Inhotim sua primeira “casa”. Ainda que temporário (a coleção será exposta por dois anos), o endereço possibilitará colocar o pensamento de Abdias Nascimento em circulação.

“O mundo das artes sempre nos pareceu ser um monopólio de um poder financeiro que paira no ar, muito longe da vida real”, afirma Elisa. Ela espera que o Museu possa ajudar a construir novas relações entre as artes, as instituições de poder financeiro e os políticos.

Pesquisador do Ipeafro, Julio Menezes Silva reforça a trajetória de sete décadas do MAN, chamando a atenção para a influência da produção africana nas artes plásticas no país. Foi assim que Nascimento conseguiu a adesão de grandes nomes para formar a sua coleção.

"Ela é quase como um panorama das artes plásticas da época, com obras de artistas como Ivan Serpa, Alfredo Volpi e Iberê Camargo”, registra Elisa. Grande parte desse material foi reunido em 1968, em exposição no Museu da Imagem e do Som (Rio).

Foi nessa época que, desafiado por amigos, Nascimento começou a pintar, atividade que desenvolveu durante os 13 anos passados no exílio. Na primeira etapa da exposição em Inhotim, serão apresentadas obras do artista, além de explorar a relação dele com Tunga. 

Nas próximas etapas (ou “atos”, como vêm sendo denominadas), uma discussão envolverá a contestação, liderada por Nascimento, de categorizações a que são submetidas obras de artistas negros, “sempre num sentido pejorativo”, na avaliação de Elisa.

“Eram tachados como primitivos, ingênuos e naif. Muitas vezes, os críticos diziam que não eram uma forma de arte, mas sim folclore. Abdias sempre procurava contradizer, mostrando a sofisticação e a expressividade plena dessa produção”. 

Serviço

Museu de Arte Negra – No Instituto Inhotim, em Brumadinho.

Quinta e sexta, de 9h30 às 16h30.

Sábado, domingo e feriado, de 9h30 às 17h30.

Ingresso: R$ 44.

Exposição será importante para discutir políticas de estímulo ao desenvolvimento da arte negra no paísA ideia de levar o Museu de Arte Negra para Inhotim surgiu a partir de uma pesquisa do curador Douglas de Freitas sobre a obra de Abdias Nascimento. “Nos deparamos com o trabalho que ele fez com os artistas, criando uma rede muito importante de ativismo”, observa. O leque foi aberto “para dar conta de todos os aspectos desse personagem”. Para Deri Andrade, curador assistente de Inhotim, a disponibilização do acervo do MAN, “que não circulou muito por outras instituições”, representa uma “oportunidade única para o público”. Segundo Douglas, os quatro módulos da exposição serão fundamentais para estimular “a pensar políticas para a maior fluidez” de obras de artistas negros. “A discussão é mais ampla. Não se trata apenas de comprar obras, mas sim discutir o que foi e vem sendo feito”, analisa. Freitas destaca que, apesar de certa notoriedade, Nascimento era “pouquíssimo conhecido”. Desta forma, a parceria com o Instituto de Pesquisas e Estudos Afro-Brasileiros será importante para “difundir o legado dele”. O curador lembra como o trabalho de Abdias Nascimento impactou o artista plástico pernambucano Tunga. A primeira etapa da exposição celebra essa amizade. “Tunga sempre foi grato a essa amizade”.  O Museu de Arte Negra será instalado na galeria temporária Mata, uma das antigas de Inhotim, próxima à Galeria True Rouge, que expõe de forma permanente a instalação de título homônimo de Tunga. Foi projetada especialmente para abrigar a obra. Leia mais:
Nova Lima e Itabirito terão simulação de rompimento de barragem neste sábado
Devido à pandemia, eventos do Réveillon ainda estão sem definição no estado do Rio

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por