Consultas urológicas caem na pandemia e sociedade alerta população

Agência Brasil
01/11/2021 às 15:43.
Atualizado em 05/12/2021 às 06:10
 (Valter Campanato / Agência Brasil)

(Valter Campanato / Agência Brasil)

A Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) alerta sobre os impactos da pandemia da Covid-19 no setor, especialmente na realização de diagnósticos e de tratamentos do câncer de próstata. O alerta é feito no mês em que se desenvolve a campanha mundial Novembro Azul, que começou em 2003, na Austrália, com a intenção de chamar a atenção para a importância da prevenção e do diagnóstico precoce de doenças que atingem a população masculina.

As cirurgias para retirada da próstata por câncer tiveram redução de 21,5% na comparação entre 2019 e 2020. Os dados inéditos do Ministério da Saúde, obtidos a pedido da SBU, constam do Sistema de Informação Hospitalar (SIH). As coletas do antígeno prostático específico (PSA) e de biópsia da próstata que, junto com o exame de toque retal, diagnosticam a doença, registraram quedas de 27% e 21%, respectivamente, como mostram as informações do Sistema de Informações Ambulatoriais, do Sistema Único de Saúde (SUS).

Houve diminuição ainda no número de consultas urológicas no SUS (33,5%). As internações de pacientes com diagnóstico da doença caíram 15,7%. As consultas com um urologista também sofreram queda. Até julho, foram 1.812.982, enquanto em 2019 foram 4.232.293 e em 2020, 2.816.326.

Embora já tenham começado a ocorrer neste ano, as consultas ainda estão em baixa. “Até nós que trabalhamos em consultórios particulares começamos a perceber que pacientes voltaram a marcar consultas, mas realmente houve um período em que não foi possível trabalhar. Hoje, a gente já conseguiu recuperar quase 60% do movimento que havia antes da pandemia. As cirurgias estão voltando, mas em pacientes que já tinham indicações antes de todo esse processo”, afirmou o secretário-geral da SBU, Alfredo Canalini.

Ele contou que, como os hospitais e centros de atendimentos tiveram que concentrar as atenções em pacientes atingidos pela pandemia, o medo de contaminação pela Covid-19 afastou as pessoas da procura aos médicos. “Esses locais passaram a ser vistos como de maior risco de contaminação. As pessoas pararam de fazer as coisas. A gente percebeu isso não só nos novos diagnósticos, mas inclusive em alguns pacientes que estavam fazendo tratamento para câncer independente do tipo. Eles pararam e sumiram, resolveram não correr risco e ficaram em casa. Isso prejudicou muito”, disse Canalini em entrevista à Agência Brasil.

Segundo ele, a urologia não pode ter consultas por telemedicina, como passaram a ocorrer com outras especialidades por causa da pandemia. “Este tipo de instrumento não possibilita o exame físico do paciente, por exemplo, a primeira consulta não pode ser feita por telemedicina. Não é ideal, e o paciente corre risco”, afirmou.

Estados

Os estados do Acre (90%), de Mato Grosso (69%) e do Rio Grande do Norte (50%) verificaram queda significativa nos exames de biópsia da próstata entre 2019 e 2020. No Rio de Janeiro foram 39% a menos e em Minas Gerais 31%. Já São Paulo (6%) e o Distrito Federal (7%) tiveram impacto menor. No exame de PSA, a Paraíba registrou percentual elevado (50%), seguido de Pernambuco (37%), Distrito Federal (34%), Rio de Janeiro (30%) e São Paulo (29%).

“O homem tem que perder o medo de ir ao médico e se conscientizar de que tem que cuidar da saúde como as mulheres fazem, porque é graças a isso que a mulher tem uma expectativa de vida de 8 a 10 anos maior do que a da gente”, sugeriu, acrescentando que como já ocorre com as mulheres, as consultas rotineiras devem começar na adolescência.

Atraso

Uma pesquisa realizada pela Universidade de São Paulo (USP) relata o atraso cirúrgico emergencial e eletivo durante a pandemia, no Brasil. Conforme o estudo, mais de 1 milhão de cirurgias foram canceladas ou adiadas. Dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) mostram ainda que os procedimentos cirúrgicos para tratamento do câncer de próstata também foram impactados. Com esses resultados a SBU reforça neste ano a importância de os homens retomarem os cuidados com a saúde e voltarem às consultas médicas. A chance de cura cresce com o diagnóstico precoce do câncer de próstata.

Para o secretário, quando os pacientes que deixaram de fazer o tratamento e as consultas voltarem aos consultórios é possível ter um acúmulo de diagnósticos. “A gente tem que estar preparado também para atender a essa demanda reprimida. Então, é toda uma estratégia que tem de ser montada para fazer frente a tudo isso que está acontecendo”, observou.

Câncer de próstata

Com exceção do câncer de pele não melanoma, o câncer de próstata é o tumor mais frequente no homem. Estimativa do Instituto Nacional do Câncer (Inca), indica que em 2021 são esperados 65.840 novos casos, mas muitos podem nem ter sido diagnosticados. A SBU também obteve informações do SIM), que indicam aumento de 10% na mortalidade por câncer de próstata em cinco anos. Em 2015, eram 14.542, e subiram para 16.033 em 2019.

A preocupação com o atraso nas consultas médicas é que em 90% dos casos, em fases iniciais, o câncer de próstata pode ser curado. A glândula se localiza abaixo da bexiga. Dentro dela passa o canal da uretra, por onde a urina vai da bexiga para o meio externo. A vontade de urinar com frequência e a presença de sangue na urina ou no sêmen podem significar a presença do câncer numa fase mais avançada. Nem todo tipo da doença tem necessidade de cirurgia, quimioterapia e outros tratamentos, mas pode ser acompanhado por meio da vigilância ativa.

“Após a avaliação urológica, os pacientes portadores de doença de baixa agressividade, avaliados por meio de critérios histopatológicos, clínicos e dosagem do PSA, podem optar por essa modalidade de tratamento. Entretanto, necessitam ser monitorados para que em caso de progressão tumoral, o tratamento adequado seja instituído”, disse o coordenador do Departamento de Uro-oncologia da SBU, Rodolfo Borges, acrescentando que as principais vantagens da vigilância ativa são evitar as possíveis morbidades dos tratamentos intervencionistas.

Fatores de risco

Segundo o secretário-geral da SBU, o histórico familiar de câncer de próstata em pai, irmão ou tio é um sinal da necessidade de um exame nos homens a partir de 45 anos. Mas também os afrodescendentes têm risco alto de desenvolver a doença por questões genéticas. Além disso, a obesidade é motivo de alerta. Para os que não têm esses fatores de risco, a recomendação da SBU é que a partir de 50 anos procurem um profissional especializado em avaliação individualizada, para o caso de um diagnóstico precoce do câncer de próstata. De acordo com a SBU, depois dos 75 anos, a orientação é de que somente homens com perspectiva de vida maior do que dez anos façam essa avaliação.

Alfredo Canalini afirmou que o tratamento oferecido no Brasil atualmente está no mesmo nível do de outros países como Estados Unidos, França, Alemanha, Espanha e Inglaterra. “Não tem diferença nenhuma. Hoje em dia, o conhecimento e as habilidades em medicina estão extremamente uniformes no mundo todo, tirando os países com cenários de miséria e guerra. Hoje, no Brasil, os instrumentos que temos para fazer exames de câncer de próstata são os mesmos que nos Estados Unidos”.

Compartilhar
Logotipo Hoje em DiaLogotipo Hoje em Dia

Fale conosco: (31) 3253-2207

ASSINEDigitalATENDIMENTO AO ASSINANTEBelo Horizonte 31 3236-8000Interior 31 3236-8000
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por