Fumantes têm 45% mais chances de desenvolver casos graves de Covid-19

Maria Amélia Ávila
mvarginha@hojeemdia.com.br
31/05/2021 às 19:03.
Atualizado em 05/12/2021 às 05:03

Depois de registrar queda de 50% do consumo de cigarros entre adultos nos últimos anos, o Brasil vê o crescimento do tabagismo por causa do isolamento social e da ansiedade provocada pela pandemia de Covid-19. O produto já é fator de risco para várias doenças cardiovasculares e diversos tipos de cânceres. 

O fumo potencializa, inclusive, o agravamento dos efeitos do novo coronavírus no organismo em 45%. De acordo com especialistas, o tabaco aumenta a probabilidade de infecções, principalmente, nas vias respiratórias.

Um estudo feito pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) indica que 33% dos fumantes brasileiros estão fazendo mais uso do tabaco na pandemia. Outros 54% mantiveram o mesmo número de cigarros por dia e apenas 12% estão fumando menos.

Os dados merecem atenção. De acordo com a oncologista clínica Elisa Ramos, do Cetus Oncologia, as pessoas que fumam têm maior concentração dos receptores ECA 2 - enzima conversora da angiotensina-2, proteína na qual o novo coronavírus se liga ao entrar no organismo - e permite maior invasão às células.

Os impactos negativos do tabaco não estão só na saúde de quem fuma, ou dos fumantes passivos que acabam inalando a fumaça, mas também para todo o sistema e para a economia dos países. Os custos dos danos produzidos pelo cigarro no Brasil ultrapassam os R$125 bilhões.

A médica Elisa Ramos diz que o tabagismo é uma doença que precisa de tratamento multidisciplinar e que os fumantes, na maioria das vezes, necessitam de ajuda para combater o vício. O Sistema Único de Saúde (SUS) oferece tratamento gratuito na rede de Atenção Básica para quem quer parar de fumar.

Acompanhe a entrevista na íntegra.

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por