MUSICAL

Espetáculo traz uma Cinderela mais empoderada e conectada com a atualidade

Paulo Henrique Silva
phenrique@hojeemdia.com.br
21/05/2022 às 06:46.
Atualizado em 21/05/2022 às 09:01
Fabi Bag é a protagonista da versão brasileira que entrará em cartaz no Sesc Palladium (Priscila Prade/Divulgação)

Fabi Bag é a protagonista da versão brasileira que entrará em cartaz no Sesc Palladium (Priscila Prade/Divulgação)

Uma Cinderela empoderada e uma dupla de cantores preocupada com a escassez de água no mundo. Tudo isso embalado por sequências musicais que vão agradar em cheio os espectadores mirins e todos os apaixonados pelo gênero musical.

“Sou da geração que viu o musical ter um grande boom no país. Hoje ele é o terceiro mercado mais aquecido do mundo”, registra Fabi Bang, que dá vida (e principalmente voz) à clássica personagem na adaptação brasileira do espetáculo da Broadway.

Cartaz de quinta a domingo, no Sesc Palladium, “Cinderella, o Musical” é um conto de fadas que se transformou ao longo do tempo. Não vamos ver, por exemplo, a personagem esperar pelo príncipe encantado após deixar um sapatinho de cristal para trás.

Baseada no original de Richard Rodgers e Oscar Hammerstein, lançado em 1957, a peça ganhou sotaque em português em 2016. Nos últimos tempos, passou por um “upgrade”, como define Fabi, ao falar das mudanças de cenários e elenco.

“Meu maior desafio foi levar frescor à personagem, de forma que, para quem já viu, se sinta motivado a ver de novo. Minha Cinderela tem uma outra atitude”, detalha Fabi. O texto, explica, é o mesmo. O que muda é “a forma de se colocar e a maneira de interagir com outros personagens”.

Para Fabi, nome constante nos créditos dos principais musicais do país, é preciso valorizar os clássicos, sem deixar de dar um frescor a eles para que fiquem mais contemporâneos. “Tem que haver uma comunicação direta. Não pode ficar no ‘Era uma vez...’”.

Na época em que Fabi começou a fazer musicais as opções de artistas eram limitadas: uns sabiam cantar, outros dançar, ou só atuavam. “Hoje estamos colhendo os frutos do que Bibi Ferreira e Marília Pêra nos trouxeram, de forma embrionária e corajosa”.

Uma prova disso é que, durante uma audição, “aparecem 200 pessoas para disputar o mesmo papel com você”. Os produtores chegam a receber cerca de seis mil currículos para análise. “Há muita oportunidade de trabalho, não só para atores”, assinala.

SERVIÇO“Cinderella, o Musical” – Quinta e sexta, às 19h30, e sábado e domingo, às 15h e 19h30. No Grande Teatro do Sesc Palladium (Rua Rio de Janeiro, 1046). Ingressos pelo Sympla ou na bilheteria do teatro. Plateia I – R$ 220 (R$ 110, a meia). Plateia II – R$ 160 (R$ 80, a meia). Plateia III – R$ 140 (R$ 70, a meia).

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por