LITERATURA

'Sempre um Papo' recebe jornalista e escritora Sabrina Abreu, de 'Parece Pausa, mas é Travessia'

Da Redação
01/05/2022 às 10:55.
Atualizado em 01/05/2022 às 12:04
Jornalista e escritora nascida em Belo Horizonte, Sabrina Abreu tem seis livros publicados (Editora Gulliver/Divulgação)

Jornalista e escritora nascida em Belo Horizonte, Sabrina Abreu tem seis livros publicados (Editora Gulliver/Divulgação)

O "Sempre Um Papo" recebe, nesta segunda (2), às 19h, a jornalista e escritora Sabrina Abreu para o debate sobre seu sexto livro, "Parece Pausa, mas é Travessia” (Ed. Gulliver), que reúne 150 poemas sobre política, saudade e descobertas de uma vida em isolamento. A conversa será mediada pela jornalista Jozane Faleiro, de forma online, com transmissão pelo canal do projeto no YouTube.

Isolada em seu apartamento no bairro Sumaré, em São Paulo, a jornalista ebelo-horizontina  fez o que sempre faz para melhor se expressar: escrever. Seus versos se tornaram um diário visual de quarentena, compartilhado no Instagram (@abreusabrina) como #notasisoladas.

Com palavras que capturam o espírito de um tempo estranho, as ironias, tragédias, esperanças e até algumas breves alegrias vividas, as Notas Isoladas repercutiram entre amigos de vida, de profissão, atraíram a imprensa e foram além, conquistando a simpatia de pessoas notórias como a jornalista Bianca Ramoneda, a cineasta Daniela Thomas, as atrizes Ingrid Guimarães e Mônica Martelli e a apresentadora de TV Angélica.

O diário se tornou o livro “Parece pausa, mas é travessia”, lançado pela Editora Gulliver, à venda no site www.gullivereditora.com.br por R$ 44,90. Com cinco livros publicados, essa é a primeira vez que a escritora se arrisca nos versos: “Achei libertador a fluidez do processo, diferente do livro reportagem ou de um romance – minhas experiências anteriores – que mobilizam mais minha racionalidade. No caso das notas, acho que foi um caminho mais rápido entre o que eu sentia e o que tinha a capacidade de expressar por escrito. No fim, eram poemas mesmo, mas quando comecei, nem me dei conta disso”, conta a autora.

Compilando 150 dos quase 400 poemas publicados, o livro não traz frases inéditas, mas a forma com que foram organizados cria uma narrativa sobre dois momentos experienciados por Sabrina em isolamento social. “Os primeiros meses da quarentena pareciam um hiato, uma espera pela vida. Mas, aos poucos, fui percebendo que aquilo também era vida. Foi desse pensamento que veio o título. Embora pareça uma pausa individual e coletiva, nós continuamos nos movendo, de algum jeito – pelos nossos medos, sonhos, esperanças. Sempre foi uma travessia”, comenta a escritora.

A primeira parte "Parece pausa, mas é travessia", que dá nome à obra, é concentrada no estranhamento dos meses iniciais da quarentena, ironias do novo cotidiano e reflexões sobre o desencanto com a política. A segunda, "Nós vamos dançar de novo", reúne as notas que encontram também beleza e esperança naquele período, apesar da solidão e da saudade imposta pela quarentena. O projeto gráfico é inspirado nas imagens criadas por Sabrina, em releituras da artista e designer Beatriz Albernaz, que assina também a capa e as ilustrações do livro.

Leia mais

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por