A derrota para o Nacional-AM, por 4 a 1, na última quarta-feira, ela segunda fase da Copa do Brasil, já refletiu no elenco do Coritiba. O meia Alex, ídolo da torcida, não poupou críticas aos seus companheiros depois do desempenho ruim, alegando que a instabilidade durante a temporada pode atrapalhar o time no segundo
semestre.

Eu venho batendo nesta tecla desde quando eu cheguei. Mentalmente, nós não temos uma equipe forte. Já demos demonstração disso. Já tivemos jogos espetaculares, mas, três dias depois, tropeçamos", explicou Alex, em entrevista à "Rádio 98 FM".

No último final de semana, o Coritiba venceu o Atlético-PR na decisão do Campeonato Paranaense, mas acabou sendo derrotado, de forma vexatória, na quarta-feira, pela Copa do Brasil.

Além de criticar seus companheiros de elenco, Alex também disparou contra a torcida, que o considera um ídolo. O meia alegou que o mau desempenho em campo é refletido nas arquibancadas. Em um momento complicado com o este, o jogador pede o
apoio dos torcedores, já que o Coritiba tem dois jogos complicados pela frente.

"Mas não é só o time. É o clube, passa pela arquibancada, pelo torcedor. Isso demora para reverter. A diretoria tem batido no peito de que tem mais de 30 mil torcedores adimplentes, mas não vão ao estádio. A semana será pesadíssima e o torcedor tem de saber que teremos duas dificuldades. Uma, reverter (a derrota para o Nacional); outra, a estreia no Brasileiro, contra o time da moda (Atlético)", afirmou Alex.

Em relação ao futebol paranaense, o camisa 10 também foi duro com suas críticas e pediu uma mudança de postura dos dirigentes. A recente confusão entre Coritiba e Atlético-PR, sobre a escolha do mando de campo para o clássico, irritou o meia, que apesar do bom desempenho do Londrina, vê o Estadual centralizado na capital.

"Temos primeiro que separar. O futebol paranaense não existe. Existe o futebol curitibano. O Londrina teve uma sobrevida, mas desconfio, vamos ver até onde suporta. O futebol curitibano retrocedeu. Até 2000, o Atlético foi campeão nacional, vice na Libertadores. Agora, se recuperou um pouco com os dois vices na Copa do Brasil do Coritiba", criticou o meia.

O jogador também apresentou uma solução para o problema: a mudança de postura dos mandatários. "O primeiro fator para que cresça é que (os dirigentes) se deem, possam sentar juntos para tomar um café. Esse processo de conversa é necessário. Aqui, vai se discutir um estádio para o Atletiba, parece novela mexicana", concluiu.