cruzeiro, raposa, enderson moreira

Teletrabalho, expressão vastamente divulgada no Brasil nos últimos dias por causa das atividades remotas, realizadas de casa nessa quarentena preventiva pelo coronavírus. E essa medida também chamada de "home office" atinge em cheio o futebol, tanto que o Cruzeiro contratou um treinador, Enderson Moreira, que foi oficializado pelo clube há 15 dias e até hoje não teve o seu primeiro contato com os atletas. Mas isso não quer dizer que o trabalho também está suspenso. Pelo contrário.

Enderson Moreira nesse meio mês que se passou desde que teve o seu nome confirmado como novo treinador da Raposa dá prosseguimento aos seus planejamentos. Os trabalhos de formatação do elenco, de identificação de carências no plantel e as conversas entre comissão técnica e departamento de futebol são todas feitas por meio das ferramentas tecnológicas disponíveis atualmente para dinamizar a comunicação à distância. E de acordo com o departamento de futebol celeste, por dia são até 14h de trabalho para formatar o time que entrará em campo assim que o calendário for retomado. 

"Sem dúvida nenhuma é uma situação muito atípica, a gente ser contratado e não poder iniciar o trabalho imediatamente no campo, mas a gente tem que superar nessas questões, e estou aproveitando muito esse momento para poder assistir a todos os jogos da temporada do Cruzeiro, os que para mim são mais relevantes, e também estudar muito a questão do elenco, as possibilidades. Eu tenho contato diário, principalmente com o Ricardo Drubscky, e junto da minha comissão técnica a gente está sempre estudando possibilidades, visualizando aquilo que pode ser interessante para o Cruzeiro na temporada", disse Enderson em entrevista à Rádio Itatiaia. 

Ponte com atletas

E é justamente o diretor de futebol Ricardo Drubscky, velho conhecido e amigo do treinador, que faz essa ponte entre o novo comandante e os atletas. Agora com mais parcimônia, já que o departamento jurídico do Cruzeiro pediu para que sejam respeitados estritamente os 20 dias de férias por causa da interrupção do calendário pela pandemia do coronavírus. 

"Ainda não conversamos com o Enderson (Moreira), não tivemos nenhum contato com ele, com os jogadores e comissão (técnica). Mas o diretor de futebol Ricardo Drubscky vem colocando os jogadores a par da situação, alertando a gente do que o Enderson quer para esse novo estilo de jogo que tem pra gente. E agora estamos aguarando isso (pandemia do coronavírus) passar para conhecer o Enderson", disse o jovem zagueiro Arthur em entrevista à Rádio 98 FM. 

Quando tiver o primeiro contato com o grupo de jogadores, ainda sem um prazo determinado para esse encontro físico na Toca II, Enderson encontrará um elenco recheado de garotos. Mas, também, conviverá com peças experientes, rodadas e conhecidas, como o meia Robinho, que sabe que a chegada do novo treinador ao Cruzeiro pode ser um potencializador de novas sensações no elenco. Principalmente no que diz respeito à confiança do grupo. 

"A gente deseja toda a sorte do mundo ao Enderson Moreira. Esperamos que ele possa vir motivado, e sabemos que ele está motivado por vir (ao Cruzeiro). A gente precisa disso nesse momento. Que ele possa colocar toda a experiência dele agora para nós, pois precisamos retomar confiança, o melhor futebol, retomar muitas coisas. E com a chegada do Enderson, tomara que consigamos isso tudo o mais rápido possível", disse em entrevista exclusiva ao Hoje em Dia. 

Além de Robinho, o lateral-direito Edilson é também uma das peças experientes que podem ser importantes no auxílio de maturação dos jovens, grande maioria nesse Cruzeiro de 2020 até aqui. 

"Enderson é um grande treinador, experiente, com conhecimento gigante diante da história do Cruzeiro. Sem sombra de dúvidas ele encontrará um grupo que só pensa em uma coisa, recolocar o clube no caminho das vitórias, e em consequência o acesso à Série A, que é o nosso objetivo maior no ano de 2020", garantiu o lateral.

Pensamentos congruentes

E o pensamento dos jogadores é o mesmo de Enderson Moreira. Apesar da falta do encontro presencial, as ideias, pelo menos na teoria, se encontram. 

"Nesse processo todo, a gente pode tirar muito dos atletas que fazem parte hoje do grupo do Cruzeiro. A primeira coisa que eu vejo, é que temos possibilidade, acima de tudo, de ter uma equipe bem organizada, uma equipe que taticamente possa realmente saber o que fazer dentro de campo, e isso ajuda com que você possa melhorar as qualidades dos atletas. Não é nem questão de melhorar, mas deixar essas qualidades mais em destaque, e minimizar ao máximo essas difuculdades que os atletas possam ter. Uma equipe organizada e competitiva, ela favorece para que o o atleta possa colocar a favor da equipe aquilo que ele tem de melhor. E que o sistema de jogo, a organização da equipe, possa diminuir ao máximo as dificuldades e carências que o atleta possui de alguma forma", disse o treinador, que os mais novos ainda não tiveram em muitas das vezes nem a chance de enfrentá-lo como adversário.

"Eu, particularmente, não sei muito do Enderson. Eu conhecia um pouco da trajetória dele, sabia que ele tinha passado pelo Cruzeiro e estava no Ceará. Eu não conheço muito o trabalho do Enderson, então não posso falar muito dele", comenta o zagueiro Arthur. 

Já Robinho conhece bem o comandante que chegou para tentar recolocar o Cruzeiro na Série A do Campeonato Brasileiro em 2021, ano do centenário do clube. 

"É um cara experiente, que já conseguiu alguns acessos, sabe como fazer para subir da Série B, e a gente torce para que ele possa chegar e dar o seu melhor, tirando também o melhor de cada jogador. Ele estava fazendo um trabalho muito bom no Ceará, e a gente torce para que ele continue o trabalho bem feito aqui, tirar o melhor de cada jogador e resgatar a confiança de todo mundo, confiança do torcedor no clube. Esperamos que ele possa ser a chave que falta para o nosso time pegar de vez, e voltar com tudo por que o primeiro objetivo do nosso time é o acesso, e não estamos tão bem ainda. Precisamos melhorar muito e esperamos contar com a experiência e tudo o que o Enderson Moreira tem para nos ajudar", comentou mostrando mesmo de longe muita identificação com as ideias do novo treinador. 

E é nessa congruência de pensamentos que o treinador pretende implementar sua filosofia agora no Cruzeiro. 

"A gente está visualizando sim boas oportunidades, atletas que possam aumentar ainda mais o nível dessa equipe. Acredito muito em muitos atletas que ainda não conseguiram chegar no seu melhor momento, na melhor condição física. A organização tática vai favorecer muito também esses atletas (...) Tenho uma ideia muito clara. Preciso passar agora por um processo de convencimento dos atletas. Não quero que os atletas façam o que eu estou mandando fazer, quero que eles façam por que eles conseguem entender que é melhor para o Cruzeiro, melhor para o grupo e para eles de forma individual. (...) jogar taticamente e coletivamente é muito mais difícil, mas quando você atinge esse nível também é muito mais difícil para os adversários", explicou.