Os bastidores do Cruzeiro mais parecem um vulcão que sofre erupção diária. Passados 30 dias – completados ontem – desde o epicentro das denúncias que envolveram dirigentes da Raposa no programa Fantástico, da TV Globo, o clube se vê tomado pela ‘lava do conflito’ entre a oposição e a atual diretoria.

Completamente incendiado por problemas desde o dia 26 de maio, quando a reportagem investigativa do programa global foi ao ar, há a expectativa de o Cruzeiro ter seu nome envolvido em mais um capítulo quente.

Quem garante essa condição é o segundo vice-presidente do clube, Ronaldo Granata, que rotula tal crise como “talvez, a maior do futebol mundial”.

Em entrevista ao “98 Esportes”, da Rádio 98 FM, Ronaldo Granata afirmou que conselheiros do clube vão pedir o afastamento do presidente Wagner Pires de Sá. “Tem muita gente boa dentro do conselho do Cruzeiro, preocupado com a instituição. Tem mais coisas vindo aí”, mandou o recado ao atual mandatário da Raposa.

Os problemas dos bastidores do clube se estenderam ao time, que não vence há nove partidas na temporada e amarga o 18º lugar no Campeonato Brasileiro. O que será que o futuro reserva aos celestes? A degola ou a salvação?

Denúncias

Entre as principais acusações estão a de pagamentos suspeitos, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro.  Os principais alvos das investigações são o presidente do clube, Wagner Pires de Sá e o vice-presidente de futebol, Itair Machado.

A denúncia mais grave é referente a um empréstimo de R$ 2 milhões adquiridos pelo Cruzeiro com o empresário Cristiano Richard dos Santos Machado, sócio de firmas que atuam na locação de veículos e de equipamentos de proteção.

Como garantia de quitação do débito, o clube, segundo inquérito da Polícia Civil, incluiu parte dos direitos de jogadores do profissional, como David, Raniel e Cacá.

Alguns atletas que ainda estão nas categorias de base também tiveram os direitos econômico alienados – o que não é permitido pela FIFA – como o jovem Estevão Willian, de 12 anos, conhecido como “Messinho”. No caso de “Messinho”, inclusive, haveria outra infração, levando-se em conta que um atleta só pode assinar contrato com um clube a partir dos 16 anos.

No dia seguinte à divulgação da reportagem, Wagner Pires, Itair Machado e outros integrantes da diretoria concederam entrevista coletiva na Toca da Raposa II com o intuito de tentar esclarecer os fatos. Desde então, um caos político se instaurou no clube celeste, com a pressão de parte dos conselheiros pedindo o afastamento dos dirigentes envolvidos nas denúncias.

Acuado, Wagner Pires de Sá chegou a extinguir cargos no Cruzeiro e prometeu abaixar o salário de alguns funcionários.

Queda em campo

Em paralelo à crise extracampo, o desempenho do time comandado pelo técnico Mano Menezes sofreu uma queda vertiginosa em campo. A equipe celeste vem de nove jogos seguidos sem vencer na temporada e está na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro.

Em julho, a Raposa define seu futuro no segundo semestre da temporada nos confrontos com Atlético, nas quartas de final da Copa do Brasil e River Plate, pela Copa Libertadores.

Sempre comedido em relação ao momento conturbado que o clube atravessa, Mano Menezes admitiu, em entrevista recente, que o cenário tenso fora de campo tem interferido no desempenho do time nas quatro linhas.