A crise política e econômica enfrentada pelo Villa Nova atingiu mais um nome. Ao que tudo indica, Aécio Prates formalizará nas próximas horas sua renúncia ao cargo de presidente do Leão do Bomfim. Porém, segundo fontes de dentro do clube, o afastamento já é certo. Será a segunda vez em menos de um ano que o alvirrubro de Nova Lima perderá seu mandatário. Em agosto do ano passado, foi Anísio Clemente Filho quem deixou o comando da equipe. 
 
O empresário Aécio Prates assumiu o posto máximo do Leão do Bomfim em 29 de agosto de 2014, pouco depois da renúncia de Anísio Clemente. O objetivo do mandatário era ampliar a identidade do clube com a cidade e prestigiar as categorias de base. Porém, em pouco tempo de mandato, o presidente passou a enfrentar dificuldades para cumprir sua meta.
 
Sem a verba de subvenção prometida pela Prefeitura de Nova Lima, o Villa Nova ameaçou ficar de fora da edição deste ano do Campeonato Mineiro. A situação só foi normalizada após a administração municipal liberar parte dos cerca de R$ 2 milhões prometidos ao Leão do Bonfim.
 
Porém, a prefeitura local também enfrenta dificuldades financeiras e não destinou a segunda parte da subvenção prometida, que giraria em torno de R$ 700 mil. Assim, o orçamento do Leão do Bonfim ficou comprometido, fazendo com que o Villa Nova não tivesse recursos para honrar com os vencimentos de jogadores e funcionários, que estariam atrasados em três meses. 
 
Crise política
 
Porém, não é só as finanças do clube que andavam enfraquecidas. Em maio deste ano, o então vice-presidente do Villa Nova, Tiago Tito, apresentou seu pedido de afastamento do cargo alegando falta de transparência dos recursos e das dívidas do Leão do Bonfim. O dirigente questionou, ainda, o excesso de autoritarismo do então mandatário, Aécio Prates. No início do mês, o conselho alvirrubro chegou a pedir sua renúncia, o que acabou não acontecendo. 
 
A reportagem tentou entrar em contato com Aécio Prates, porém o mandatário não atendeu as ligações. 
 
Dentro de campo
 
A instabilidade no comando se refletiu dentro dos gramados. Apontado como uma das grandes forças do Grupo A6 da Série D, o Villa Nova, até o momento, não correspondeu às expectativas e saiu derrotado dos seus dois primeiros compromissos no torneio.
 
Na estreia, fora de casa, o Leão foi derrotado pelo CRAC-GO pelo placar mínimo. No jogo seguinte, outro revés. Jogando no Alçapão do Bonfim, o Villa não conseguiu fazer frente ao Duque de Caxias e perdeu por 3 a 2. O alvirrurbro voltará a campo no dia 1º de agosto, um sábado, quando receberá o Gama, no Castor Cifuentes.