As eliminações precoces do Atlético nas Copas do Brasil e Sul-Americana, num intervalo de apenas uma semana, provocam um buraco na previsão orçamentária do clube para a temporada 2020. Isso porque as duas competições seriam fontes de receita importantes, com cotas a cada fase disputada e também com arrecadações dos jogos em casa, pois a torcida atleticana vem demonstrando nos últimos anos preferir os torneios no formato mata-mata.

Na previsão orçamentária da diretoria do Atlético para 2020, a expectativa era a de arrecadar R$ 57,9 milhões com premiações de competições e bilheteria. Agora, apenas com o restante do Campeonato Mineiro e o Brasileirão pela frente, o Galo, para alcançar a meta, não pode mais errar dentro de campo e fora dele precisará fazer na Série A o que não conseguiu no ano passado: arrecadar nos seus 19 jogos como mandante.

Em 2019, o Atlético caiu nas quartas de final da Copa do Brasil e foi semifinalista da Sul-Americana. Se repetisse as posições neste ano, arrecadaria R$ 23,22 milhões. Os vexames diante de Afogados, de Pernambuco, e Unión, da Argentina, fizeram entrar no cofre do Galo apenas R$ 3,73 milhões. Os quase R$ 20 milhões de diferença equivalem ao valor projetado pelo clube para gastar na contratação de reforços.

Pressão

Como o Campeonato Mineiro não tem premiação por posição final, o máximo que o clube pode conseguir na competição é arrecadação nos jogos como mandante. No Brasileirão, ela existe. E o Galo precisará ficar na parte de cima da tabela de classificação para pelo menos chegar próximo à meta orçamentária.

O 13º lugar do ano passado, por exemplo, vale em 2020 R$ 11 milhões. Se repetido, o Atlético chegaria a menos de R$ 15 milhões em premiações, somando-se o valor garantido nas duas copas. Faltariam cerca de R$ 43 milhões, e eles teriam de ser conseguidos com arrecadações. Pelo Estadual, são pelo menos dois e no máximo quatro jogos em casa. No Brasileirão, serão 19 e um grande desafio.

Isso porque o Atlético pagou para jogar na Série A do ano passado. Matéria do Globoesporte.com, em 16 de dezembro de 2019, mostrou que a arrecadação líquida do Galo no Brasileirão foi negativa (-R$ 217 mil). Além disso, o clube teve prejuízo em 11 das 19 partidas em Belo Horizonte, pois usou o Independência e o Mineirão.

O pagar para jogar é fruto de uma política de ingressos a baixo preço. Com as altas despesas das partidas, o dinheiro arrecadado é insuficiente para cobrir os gastos dos jogos.

Tradição

Desde 2013, com a conquista da Libertadores, e depois em 2014, com o título da Copa do Brasil, a torcida atleticana passou a gostar mais das competições no formato de mata-mata.

Em 2019, por exemplo, dos 39 jogos como mandante do clube, 11, que correspondem a 28% das partidas, foram pelas Copas Libertadores (5), Sul-Americana (4) ou do Brasil (2).

Nesses 11 confrontos, o Galo faturou R$ 9,6 milhões dos R$ 17,9 milhões arrecadados bruto na temporada 2019. E isso representa 54% da renda do ano.

Arte Galo Grana Eliminações Atlético