A redução de 25% nos vencimentos de jogadores e outros funcionários do Atlético, oficializada pelo clube, pegou muita gente de surpresa na noite desse domingo (29). Contudo, a decisão foi bem discutida entre diretoria e departamento jurídico do alvinegro. Nesta segunda-feira (30), o Hoje em Dia conversou com Lásaro Cândido, vice-presidente de futebol e chefe do departamento jurídico. O dirigente, durante a conversa, afirma que menos de 30% serão afetados.

Experiente na área jurídica e com inúmeras causas ganhas em nome do Atlético, Lásaro explicou as questões envolvendo a redução e também outros processos que estão sendo trabalhados durante a paralisação no mundo da bola, devido à pandemia do novo coronavírus. Em home office, ele afirma que segue com uma enorme demanda a ser cumprida.

"O mundo atravessa uma situação excepcional. Então, os modelos jurídicos terão que ser totalmente revistos. Não vamos nos apegar a artigos da CLT ou da Medida Provisória. Para a situação, única na história do Brasil, se exige que a gente dê um suporte jurídico para permitir a sobrevivência de clubes e empresas", disse Lásaro.

"Já têm decisões de juízes federais afastando as cobranças dos tributos durante o período da pandemia. Então, as pessoas que mexem na área juríca precisam de uma reflexão mais profunda. Realmente tem um artigo da CLT que trata da redução de 25%, que não a valida em situações comuns. Estamos diante de uma situação excepcionalíssima. Para a sobrevivência do clube e para a permanência dos empregos, a decisão do Atlético foi esta; ela foi escorada em vários artigos da Constituição", acrescentou.

Sobre a previsão das férias dos atletas, que começa a valer a partir desta quarta (1), indo, no mínimo, até o dia 20, o dirigente mostra pessimismo. Para ele, o prazo será bem maior.

"Vamos ser realistas? O cenário é de prorrogação disso; para ser otimista, em junho. Provavelmente daremos licença remunerada aos jogadores depois deste período de férias. Poderemos, inclusive, tomar outras medidas", revelou à reportagem.

"Não tive contato com os jogadores; isso foi feito pelo Alexandre Mattos, com alguns deles. O Barcelona promoveu uma redução de 70% neste momento de crise. No cenário atual, os atletas vão apoiar", opinou.

Redução de 25%

Ainda sobre a redução de 25% nos vencimentos de funcionários do Atlético, Lásaro explica o processo. De acordo com o vice-presidente, mais de 70% não serão atingidos.

"Houve redução de 25% para aqueles que ganham mais que R$ 5 mil. Ela é proporcional. Se ganha R$ 6 mil, o desconto vai em cima dos mil acima do teto. Para se ter ideia, 77% de atletas e funcionários estão excluídos desta redução (funcionários da sede, do CT, dos clubes sociais...). Outras medidas foram adotadas, mas o clube dará notícias delas na sequência. Estamos no cenário de ajustes e redação final", explicou Cunha.

"Se não fizermos isso, é a sobrevivência do clube que está em jogo; e os empregos dos funcionários", finalizou.