O técnico Adilson Batista adotou o discurso baseado no elogio aos garotos do Cruzeiro e não poupou críticas ao gramado do estádio Pedro Alves do Nascimento, em Patrocínio, após o empate em 1 a 1 de sua equipe com o Patrocinense, na noite deste domingo, na sexta rodada do Campeonato Mineiro.

Para explicar a dificuldade que a Raposa teve de criar jogadas, o treinador apontou um dado estatístico em relação ao número de passes trocados na partida, disse que a grama fora dos padrões foi um dificultador e ainda sugeriu que o gol do Patrocinense foi irregular.

“Hoje (jogamos) em um gramado que não é padrão Fifa, com todo respeito que tenho ao Patrocinense, trocamos quase 500 passes. A gente trabalhou a bola, rodou, não foi efetivo, incisivo, não tivemos aquela construção para chegar e concluir com clareza, mas o adversário também não. Teve o lance do gol, que tocou na mão”, analisou.

Sair atrás no placar tem sido uma sina do Cruzeiro. Foi assim contra o Tupynambás, América, São Raimundo/RR e agora o Patrocinense. Para justificar esse fator o treinador comentou sobre as longas viagens recentes do clube, que desde o começo da competição tem tido problemas específicos com a logística para as competições. 

“Nós tivemos, nos últimos jogos, sempre correndo atrás do placar. Sempre tentando buscar reverter uma situação. Não tivemos um sono correto na sexta-feira, por causa da viagem, tivemos um desgaste. Tivemos 18 horas que a Federação não ajudou. Vai sentindo Alexandre, Valdir, Edilson… Faz parte do processo entender isso (...) Temos um jogo a menos (contra o Tombense). Vamos com calma, valorizar os meninos (...) Eu temia pelo aspecto físico. Tenho que valorizar esses meninos”, opinou.

O gol no "apagar das luzes" de Maurício e que deu o empate ao Cruzeiro contra o Patrocinense salvou a equipe estrelada no jogo, mas o resultado em si impediu que o clube assumisse a liderança do Campeonato Mineiro.

Nesta quinta-feira (20), véspera de Carnaval, a Raposa jogará a partida atrasada contra o Tombense, adiada na segunda rodada por causa das fortes chuvas que atingiram várias cidades de Minas Gerais. Uma vitória, somada a algumas combinações de resultados, pode, enfim, dar ao Cruzeiro a liderança da competição estadual.